Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

11 de abril de 2021

Cáritas Diocesana de Itabira-Cel. Fabriciano

27/03/2021 .

A Campanha da Fraternidade Ecumênica neste ano tem como tema: “Fraternidade e Diálogo, Compromisso de Amor”. Por que então o tema fraternidade e diálogo: compromisso de amor? Exatamente para dizer que nós precisamos caminhar juntos, não é a diferença de credos que vai nos separar, mas pelo contrário; a riqueza de cada igreja, de cada religião deveria nos favorecer sempre mais nessa busca por um mundo novo, um mundo melhor. Somos chamados e chamadas para estarmos abertos ao diálogo, e maior que ao diálogo com as igrejas cristãs, fazer também este diálogo inter-religioso com outros credos, com outras religiões. O amor vem em primeiro lugar como defesa da vida, nos leva cada vez mais à luta por justiça, por um mundo melhor.

O lema “Cristo é nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2,14a) traz à Campanha a reflexão sobre a importância da fraternidade e do diálogo. Esse convite especial, também feito pelo Papa Francisco, nos chama a atenção para uma fraternidade universal, social, para nos unir neste compromisso em defesa da vida. Por isso é importante que as nossas diferenças não devam ser barreiras para nós. Papa Francisco diz: “precisamos destruir os muros e construirmos pontes, dialogar, aproximar, e cada vez mais superar as barreiras que existem entre nós”. E Jesus Cristo é esse ponto de unidade, que quer nos levar a um testemunho de fidelidade ao seu plano de amor, de solidariedade, de justiça e de comunhão. Por isso é muito importante esta dedicação.

“Cada cristão é chamado a viver e refletir essa generosidade com amor, fé e corresponsabilidade”, afirma padre Patriky Samuel Batista, secretário executivo das Campanhas da CNBB.

Como efetivação de nosso compromisso social, nosso gesto concreto poderá se materializar com sua colaboração na Coleta Nacional da Solidariedade, gesto concreto, para o financiamento de projetos que atuem diretamente nos objetivos da campanha. Coleta realizada sempre no Domingo de Ramos. Este ano, dia 28 de março. O resultado integral dessa coleta em nossas comunidades, com ou sem envelopes, deve ser encaminhado à Diocese.

Com esse recurso, a Igreja exerce seu cuidado pastoral com os mais necessitados, em vista de diminuir as desigualdades sociais que nos afetam. Esta coleta é destinada ao Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) e visa promover a fraternidade entre as diversas regiões no intuito de erradicar a vulnerabilidade e risco. Todo o processo acontece por meio de edital que acolhe sugestões de projetos de todo o país.

O FNS é composto por 40% de toda arrecadação da Coleta Nacional da Solidariedade, realizada em todas as dioceses, paróquias e comunidades durante o Domingo de Ramos. Os outros 60% da coleta permanecem em suas dioceses de origem e compõem o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS).

Em nossa Diocese de Itabira Coronel Fabriciano, por meio da Equipe Permanente da Campanha da Fraternidade, Caritas Diocesana e consequentemente do Fundo Diocesano de Solidariedade, desde os primeiros anos de sua criação, apoia iniciativas e projetos relacionados ao tema da Campanha da Fraternidade.

Sendo realizados os seguintes projetos: Criança e Adolescente – projetos Arte Vida – João Monlevade e Bela Vista de Minas / Casa de Acolhimento – Casa Lar em São Gonçalo do Rio Abaixo e Itabira. Economia Popular Solidaria: Grupos de Geração de Renda: Pequenos Produtores, Artesão, economia informal – Fórum Regional de Economia Popular Solidaria do Médio Piracicaba – realização das feiras da economia solidaria – Elaboração de projetos para captação de recursos… Gestão de Risco – Acompanhamento as famílias atingidas pela Mineração – Criação dos comitês de enfrentamento aos projetos de mineração / acompanhamento as famílias atingidas pela barragem de fundão / acompanhamento aos projetos de barragens que estão com ameaça de rompimentos.

É muito importante que de fato a Campanha da Fraternidade nos leve a vivenciar essa solidariedade e, ligado a isso, tem o Fundo Nacional de Solidariedade, que tem beneficiado tantas comunidades tradicionais, comunidades quilombolas, povos indígenas, lares de idosos, pessoas com deficiência, crianças, adolescentes, grupos de mulheres, apenas citando alguns.

Que a solidariedade seja também um sinal concreto de compromisso com a vida para com os nossos irmãos e irmãs. Que possamos vivenciar esta Campanha da Fraternidade lutando pela vida, na comunhão, nesse diálogo com outras igrejas, com outras religiões, e assim perceber que em primeiro lugar deve estar a defesa da vida, e vida em abundância. Assim vivenciaremos realmente o Amor Cristão.


Relatório de Atividade Cáritas Diocesana de Solidariedade
Fundo Diocesano de Solidariedade

OBJETIVO GERAL DA ENTIDADE

A Cáritas Diocesana busca a cada dia participar de atividades cujo objetivo é a efetivação do estado de direitos de sujeitos e grupos que devido suas reais condições vivem à mercê da sociedade.

Seu trabalho se divide nas seguintes comissões: Comissão de Criança e Adolescente, Comissão de Políticas Públicas, Comissão de Economia Popular Solidária, Comissão de Gestão de Risco, desenvolvendo trabalho com os seguintes grupos:

• Assistência à criança e adolescente em situação de risco – Serviços de acolhimento Institucional na modalidade Casa Lar – (Casa Lar em Itabira e Casa Lar em São Gonçalo do Rio Abaixo);

• Execução do Projeto Arte e Vida – Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – oficinas e atividades de formação com crianças e adolescentes. (Arte e Vida em João Monlevade e Arte Vida em Bela Vista de Minas);

• Programa de apoio e fortalecimento institucional de grupos e entidades da sociedade civil.

• Programa de Economia Popular Solidária – Articulação do fórum Regional de Economia Solidária – realização de feiras regionais (ponto fixo da economia solidária);

• Comissão de Meio Ambiente da Diocese – Articulação do Fórum Permanente da Bacia do Rio Doce;

• Programa Recuperação Socioambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Doce e suas sub-bacias Médio Piracicaba e Santo Antônio com incentivo a plantio de árvores, recuperação de nascentes;

• Participação nos três comitês de Bacia Hidrográfica compreendendo as bacias dos Rios Santo Antônio, Rio Piracicaba e Rio Doce.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

– Reduzir a ocorrência de situações de risco junto às crianças e adolescentes atendidos;

– Trabalhar o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários nos projetos desenvolvidos;

– Articular a rede socioassistencial nos municípios atuantes;

– Promover e fortalecer as iniciativas locais de desenvolvimento solidário e sustentável;

– Defender e promover direitos, mobilizações e controle social de políticas públicas;

– Garantir a organização e fortalecimento da entidade.

a) Comissão de Criança e Adolescente

a.1) Projeto Arte e Vida Nova Monlevade\ Sion

Projeto Arte e Vida – Bela Vista

Descrição da Atividade Realizada:

• Realizar atividades que promovam a convivência e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários;

• Realizar oficinas para as atividades de formação, cultura, esporte e lazer para crianças e adolescentes;

• Garantir a participação e envolvimento dos familiares nas ações desenvolvidas pelo projeto;

• Realizar em parceria com as escolas, o CRAS, o CREAS e demais organizações da sociedade civil atividades que promovam os direitos e deveres das crianças e adolescentes através do Estatuto da Criança e Adolescente – ECA;

• Articular ações integradas com as pastorais sociais, as igrejas e as escolas que venham contribuir para a diminuição dos casos de violência contra crianças, adolescentes e jovens;

• Através da metodologia “Ver, Julgar, Agir e Celebrar”, a Pastoral da Criança realiza ações ao combate a obesidade infantil, controle de peso e oferta de alimentação saudável para as crianças acompanhadas;

• Articular ações integradas com as pastorais sociais, as igrejas e as escolas que venham contribuir para a diminuição dos casos de violência contra crianças, adolescentes e jovens.

Metodologia utilizada para o desenvolvimento da atividade:

Desenvolver atividades que garantam direitos humanos, acesso à cultura, à formação, ao lazer, à aprendizagem e produção artesanal com crianças e adolescentes com objetivo de proporcionar melhores condições de vida e cidadania com o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários em um ambiente de oportunidade e convivência;

Desenvolve com crianças e adolescentes através de oficinas semanais por meio de atividades como: atividades de lazer através da implementação de um brinquedoteca, trabalhos manuais/artesanato, dentre outros; envolvendo e mobilizando as famílias nos espaços comunitários nos bairros Sion e Nova Monlevade no município de João Monlevade e também núcleo na cidade de Bela Vista de Minas, são ações pontuais, a partir do acesso ao Fundo da Criança e Adolescente – FIA.

Objetivo a ser atingido com a atividade:

A partir do desenvolvimento do Projeto Arte e Vida, é perceptível que ele:

• É legitimado pela comunidade; Fortalece e garante o protagonismo infanto-juvenil;

• Garante a formação para a cidadania; Fortalece os vínculos familiares e comunitários;

• Desperta a consciência crítica e reflexiva;

• Promove o espírito de solidariedade por meio do trabalho voluntário;

• Fortalece a gestão coletiva e descentralizada;

• Integra com outros segmentos tais como Conselhos Municipais da Criança(CMDCA) e da Assistência (CMAS)

• Forma monitores oriundos do público assistido do próprio projeto.

• Ampliar a rede de parcerias: CRAS, CREAS;

• Ampliar as áreas de abrangências;

• Fortalecer a rede de atendimento às crianças e adolescentes do município;

• Dar continuidade às propostas de atividades desenvolvidas desde de 2004;

Resultados obtidos a partir da atividade realizada:

• Ampliar a rede de parcerias: CRAS, CREAS;
• Ampliar as áreas de abrangências;
• Fortalecer a rede de atendimento às crianças e adolescentes do município;
• Dar continuidade às propostas de atividades desenvolvidas desde de 2004.

Dia/Horário/Periodicidade da atividade:

O Projeto Arte e Vida núcleo Nova Monlevade, funciona todos os sábados 14 h às 17 h na Igreja Nossa Senhor dos Lírios; núcleo Sion funciona todos os sábados 14 h às 17 h na Igreja;

O Projeto Arte e Vida núcleo Bela Vista de Minas, funciona todos os sábados 14 h às 17h para oficinas e 8 h às 12 h futebol.

Números de atendidos
(Número total – anual – de pessoas que participaram das atividades/ projetos/serviços/programas desenvolvidos pela entidade, por atividade):

• Projeto Arte e Vida João Monlevade: Aproximadamente 280 Crianças e Adolescentes de 6 a 18 anos, sendo: 120 na comunidade Nova Monlevade, 60 na comunidade Sion;

• Pastoral da Criança João Monlevade: Aproximadamente 670 Crianças e Adolescente de 0 a 06 anos, sendo: 250 da Paróquia Nossa Senhora da Conceição e 420 da Paróquia São Luiz Maria Monfort;

• Projeto Arte e Vida Bela Vista: Aproximadamente 90 Crianças e Adolescestes;

• Pastoral da Criança Bela Vista: Aproximadamente 305 Crianças e Adolescente de 0 a 06 anos\A Pastoral da Criança é uma organização da sociedade civil parceira do Projeto Arte e Vida, que promove encontros com as famílias para orientações e acompanhamento nutricional, sendo o projeto responsável pelo fornecimento de lanches para realização destas atividades.

Total Geral: 1345 Crianças e Adolescentes atendidos no município de João Monlevade;

Projeto atende crianças de 0 a 06 anos da Pastoral da Criança e crianças e adolescentes de 07 a 18 anos dos bairros referenciais em Bela Vista como: Lages, Córrego Fundo, Senhor do Bomfim;
Para o público de 07 a 18 anos são realizadas cursos e formações envolvendo temáticas como: sexualidade, afetividade, Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA e outras. São realizadas também oficinas semanais por meio de atividades como: música, teatro, futebol, futsal, dança, brinquedoteca, capoeira, trabalhos manuais/ artesanais, manicure e pedicure, mobilização familiar, em espaços comunitários.

Abrangência Territorial
(caracterização do bairro/Município onde a atividade é desenvolvida)

• Projeto Arte e Vida – Núcleos Nova Monlevade: Área urbana, e público comtemplado pelo movimento sem casas e realizado com centro comunitário na área da igreja católica; as crianças e adolescente dos bairros Planalto e Novo

• Cruzeiro também participam do projeto;

• Núcleo Sion: Área urbana, e público comtemplado pelo movimento sem casas e realizado com centro comunitário na área da igreja católica;

• Projeto Arte e Vida – Núcleo Bela Vista: Centro de Bela Vista: no salão do centro comunitário da igreja católica; as crianças e adolescentes dos bairros Lages, Córrego Fundo e Senhor do Bom Fim também participam do projeto;

Origem dos Recursos Financeiros (Convênios e/ou Parcerias), se existe cobrança dos usuários para participar das atividades da entidade

Além dos recursos próprio da Cáritas advindas do Fundo Diocesano de Solidariedade, para a execução do Projeto Arte e Vida em João Monlevade e Bela Vista de Minas, a entidade possui parcerias com a Prefeitura Municipal de João Monlevade e Bela Vista de Minas e utiliza recurso do FIA – Fundo para Infância e Adolescência, tem por sustentação legal o art. 88, inciso IV do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA e Art. 14 da Lei Estadual 5.336/92, com a nova redação dada a Lei Estadual 5.812/96 que institui o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente e no Decreto 36.865/96 que regulamenta o FIA;

Número total de atendidos pela entidade no ano de análise

• São atendidos 1345 crianças e adolescentes;

• O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), sim funciona ao sábado;

• As atividades de 0 a 06 anos acontece uma vez por mês, pela Pastoral da Crianças, através da celebração da Vida e acompanhamento nutricional e com presenças dos pais; as atividades da brinquedoteca são realizada todos os sábados com crianças de 03 a 07 anos de alguns pais e alguns familiares;

a.2) Projeto Reviver – Serviço de Acolhimento na Modalidade Casa Lar São Gonçalo.

Projeto Florescer – Serviço de Acolhimento na Modalidade de Casa Lar Itabira.

A Cáritas Diocesana de Itabira executa os serviços de acolhimento para crianças e adolescentes nos municípios de São Gonçalo do Rio Abaixo e Itabira. Tais serviços integram os serviços de Alta Complexidade do Sistema Único de Assistência Social – SUAS, pautados nos pressupostos do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, do Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes a Convivência Familiar e Comunitária, da Política Nacional de Assistência Social, da Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS, da Norma Operacional Básica do SUAS e no Projeto de Diretrizes das Nações Unidas sobre Emprego e Condições Adequadas de Cuidados Alternativos com crianças.

Intervenção Psicossocial

As intervenções são realizadas pelas equipes técnicas (psicóloga e assistente social) e têm como objetivo identificar as necessidades dos atendidos através de uma escuta qualificada individual e/ou grupo, realizar orientações e encaminhamentos conforme a necessidade apresentada.

Reunião de Equipes

Acontecem sistematicamente as reuniões das equipes atuantes nos projetos com a proposta trabalhar o planejamento e monitoramento das ações desenvolvidas, bem como para realização conjunta de estudos dos casos e organização das atividades do mês. Essas reuniões tem ainda o objetivo de proporcionar espaços de troca de experiências, integração e organização do trabalho através da participação.

Acompanhamento às famílias

São realizadas intervenções junto às famílias das crianças e adolescentes acolhidos com a proposta de trabalhar o fortalecimento dos vínculos, a inclusão desta no acompanhamento da rede de proteção socioassistencial na expectativa da reintegração familiar. Este acompanhamento deve provocar uma reflexão acerca da responsabilidade da família na proteção e garantia dos direitos das crianças e/ou adolescentes.

Visitas Domiciliares e Institucionais

As visitas domiciliares e institucionais têm como objetivo melhor conhecer a realidade/contexto familiar. As visitas possibilitam ainda a identificação de situações de vulnerabilidades e riscos, bem como proporcionam um melhor acompanhamento e orientação à família de origem ou extensa para manutenção e fortalecimento dos vínculos.

Reunião da equipe técnica e coordenação com a Rede de Proteção Especial
(CREAS e Conselho Tutelar de cada município)

As reuniões com a Rede de Proteção Social Especial dos municípios de São Gonçalo do Rio Abaixo, Santa Bárbara e Itabira oportunizam a discussão e construção coletiva dos Planos de Atendimentos Individuais e Familiares – PIA’s que estabelecem as estratégias para a evolução de cada caso.

Construção do Plano de Atendimento Individual e Familiar – PIA

O PIA tem como objetivo orientar o trabalho de intervenção durante o período de acolhimento, visando a superação das situações que ensejaram a aplicação da medida. A equipe técnica cotidianamente alimenta nos PIA’s as informações de cada acolhido com evoluções de todo o acompanhamento, com vistas a garantir o seu gradativo desligamento.

Trabalho multidisciplinar junto ao Ministério Público, Vara da Infância e Juventude, equipe técnica judicial e Rede Socioassistencial do município

O trabalho multidisciplinar junto ao Ministério Público, Vara da Infância e Juventude, equipe técnica judicial e Rede Socioassistencial se concretiza por meio de audiências concentradas e/ou reuniões com o objetivo de se discutir, avaliar e deliberar acerca dos casos de acolhimento institucional.

Monitoramento escolar

O monitoramento escolar tem o objetivo de garantir o bom desenvolvimento dos acolhidos(as) tanto no que se refere a aprendizagem, quanto nas relações interpessoais. Tal monitoramento se faz por meio de visitas, reuniões e contatos telefônicos com os profissionais da rede de ensino.

Acompanhamento de Saúde

O acompanhamento de saúde dos acolhidos(as) na rede pública municipal se dá por meio de consultas periódicas, realização de exames e atendimentos no serviço de urgência e emergência sempre que necessário.

Acesso à vida Religiosa

O acesso à vida religiosa tem como objetivo possibilitar às crianças e adolescentes da Casa Lar a vivência da espiritualidade conforme desejo, religião e/ou orientação de cada um(a).

Atividades Externas

As atividades externas proporcionam aos acolhidos momentos de lazer, acesso à diversidade de lugares e ampliação da vivência social e comunitária. Deve promover o acesso a programações culturais, de lazer, de esporte e ocupacional relacionando-as a interesses, vivências, desejos e possibilidades. As atividades externas proporcionam ainda a sensibilização da sociedade quanto à importância da proteção à crianças/adolescentes quando seus direitos são violados.

Participação em Cursos de Capacitação

A participação em cursos de capacitação voltados para o trabalho realizado tem a finalidade de garantir maior qualidade e efetividade nos serviços prestados.

Capacitação continuada com educadoras e equipe técnica

A capacitação continuada com educadoras conduzida pela equipe técnica tem o objetivo de abordar temas e legislações pertinentes ao acolhimento institucional a fim de promover continuadamente o aprimoramento de suas atividades.

Assembleia

A assembleia é uma reunião geral com efetiva participação das crianças e adolescentes nos serviços de acolhimento que tem como objetivo garantir a descentralização do poder das ações, o protagonismo infanto-juvenil e a construção coletiva das regras de convivência.

Comemoração dos Aniversários

As comemorações dos aniversários proporcionam à criança e/ou adolescente acolhido um momento de festividade onde se pode contar com a presença de familiares, amigos e vizinhos, no intuito de comemorar a vida e vivenciar ainda a positiva experiência da convivência familiar e comunitária. É um espaço que oportuniza ainda a aproximação com a comunidade vizinha do serviço de acolhimento e a sensibilização quanto a importância da garantia do espaço de proteção às crianças e adolescentes que tiveram seus direitos violados.

Emissão de Relatórios Circunstanciados

Os relatórios são realizados pela equipe técnica e coordenação e direcionados ao Ministério Público e Poder Judiciário com informações relevantes do acompanhamento dos acolhidos e familiares sempre que necessário.

Público Alvo

O serviço de acolhimento na modalidade de Casa Lar atendem exclusivamente crianças e adolescentes que se encontram sob medida protetiva de abrigo, conforme prevê o art. 101 do ECA. Todos os casos são encaminhados pelo Juizado da Infância e da Juventude, e em casos de extrema urgência o encaminhamento poderá ser realizado pelo Conselho Tutelar, sendo comunicado o Poder Judiciário.

A instituição prevê o atendimento de crianças e adolescentes de 0 a 18 anos, ambos os sexos, sob medida protetiva de abrigo. Tem capacidade para acolher o máximo de 10 usuários. No ano de 2019 foram acolhidas 08 crianças/e ou adolescentes, dos municípios de Santa Bárbara, São Gonçalo do Rio Abaixo e uma criança de Barão de Cocais.

Destacamos que a Casa Lar, funciona diariamente, 24 horas por dia, inclusive finais de semana e feriado. O escritório da Casa lar, funciona de segunda à sexta-feira, no horário de 13:00 às 18:00 horas.

O Projeto Reviver, atende os municípios de São Gonçalo do Rio Abaixo e Santa Bárbara, conforme convênios firmados e o Projeto Florescer atende as crianças e adolescente do município de Itabira, Todos em situação de acolhimento institucional.

Em 2019, a Casa Lar, através de trabalho em parcerias com as redes de proteção especial dos municípios conveniados, dos 08 acolhidos, 04 retornaram para suas respectivas famílias, além disso tivemos uma rotatividade menor de usuários o que em partes se dá em função também, do trabalho que a rede desenvolve nos municípios, no qual tem fortalecido os vínculos familiares e com isso observamos menor violação dos direitos das crianças e adolescentes.


ORIGEM DOS RECURSOS FINANCEIROS

• DESTACAR SE EXISTE COBRANÇA DOS PARTICIPANTES ATENDIDOS:

Em nenhum dos projetos e serviços desenvolvidos pela entidade existe a cobrança dos participantes atendidos.
As oficinas oferecidas, bem como o serviço de acolhimento são parcerias firmadas com órgãos públicos, parcerias com entidades e empresários.
A entidade não dispõe de financeiro próprio para desenvolvimento das atividades oferecidas, depende dos convênios e parcerias feitas para que as mesmas continuem existindo.

DESPESAS DAS ATIVIDADES:

Os recursos financeiros da Instituição são provenientes dos convênios firmados com as prefeituras dos municípios de São Gonçalo do Rio Abaixo, Santa Bárbara e Itabira.

b) Programa de Economia Popular Solidária;

Descrição da Atividade Realizada:

Realização de Reuniões do Fórum Regional de Economia Solidária do médio Piracicaba;
Realização das Feiras Regionais do Médio Piracicaba.

Metodologia utilizada para o desenvolvimento da atividade:

As reuniões contam com a metodologia das rodas de conversa onde cada uma e cada um colocam seus pontos de vistas. São apresentadas as propostas de trabalho e sempre as decisões são por consenso ou pela maioria. Nesta reuniões são discutidas e preparadas as feiras.

Na realização das feiras todos os feirantes chegam na parte da manhã e são montadas as equipes de trabalho que são as seguintes: Transporte das barracas; Equipe de Fianças; Equipe de Segurança. A montagem e desmontagem das barracas é feita em forma de mutirão todos participam.

Objetivo a ser atingido com a atividade:

Maior formação para os feirantes; Garantia que grupos individuais e coletivos de economia solidaria organizados produzindo e comercializando.

Resultados obtidos a partir da atividade realizada:

Reuniões realizadas com pautas sendo discutidas e definidas por todos; Participação e todos os membros nas reuniões e nas feiras; Feiras realizadas com a participação de todos os grupos; Famílias produzindo e gerando renda para o seu sustento.

Dia/Horário/Periodicidade da atividade:

Reuniões da coordenação são mensais – são realizadas sempre na primeira quarta feira de cada mês iniciando as 17:00 h e encerrando as 19:00 h.
Realização das Feiras são mensais – As feiras são realizadas no segundo final de semana de cada mês, iniciando as 10:00 e encerrando as 22 h na sexta, reiniciando as 07 h e encerrando as 14h no sábado.

Números de atendidos
(Número total – anual – de pessoas que participaram das atividades/ projetos/serviços/programas desenvolvidos pela entidade, por atividade):

Nas reuniões mensais participam cerca de 45 pessoas. São cerca de 200 pessoas cadastradas. Nas feiras mensais participam cerca de 60 feirantes.

Abrangência Territorial
(caracterização do bairro/Município onde a atividade é desenvolvida):

O Fórum é Regional do Médio Piracicaba contendo 17 municípios. Contamos com a participação de 10 municípios na articulação do fórum. As reuniões centrais e as feiras são realizadas na cidade de João Monlevade. Nos municípios do regional na sua maioria são realizadas feiras locais.

Origem dos Recursos Financeiros (Convênios e/ou Parcerias), se existe cobrança dos usuários para participar das atividades da entidade

Todo trabalho e realizado com recursos próprio da Entidade advindos do Fundo Diocesano de Solidariedade. Não contamos com Convenio e ou Parcerias, todo trabalho é realizado com recursos próprios da Cáritas e com apoio esporádico com infraestrutura cedidos por algumas prefeituras da regional.

Número total de atendidos pela entidade no ano de análise

Total de 200 pessoas diretamente e cerca de 800 pessoas indiretamente

c) Articulação do Fórum Permanente da Bacia do Rio Doce, Comissão de Meio Ambiente da Província Eclesiástica de Mariana

Descrição da Atividade Realizada:

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão: Realização de Reuniões com as famílias; realização de assembleias; visitas às famílias; acompanhamento as ações de lutas e enfrentamento.

• Acompanhamento as famílias atingidas pelos projetos de Mineração: Realização de Reuniões com as famílias; realização de assembleias; visitas às famílias; acompanhamento as ações de lutas e enfrentamento.

• Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce: Realização de Reuniões em nível de diocese e província; realização de reuniões locais com as comunidades; Realização da semana missionária; Realização de encontros de formação; Realização da Romaria.

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce: Realização de reuniões de preparação da Romaria do Parque, participação na romaria do Parque; Realização de missas no parque.

Metodologia utilizada para o desenvolvimento da atividade

As reuniões contam com a metodologia das rodas de conversa onde cada uma e cada um colocam seus pontos de vistas. São apresentadas as propostas de trabalho e sempre as decisões são por consenso ou pela maioria. Nas vistas as famílias a metodologia utilizada é a escuta dos problemas de cada uma. Realização de audiências públicas com a participação de todos os envolvidos.
Na realização das romarias e celebrações a metodologia além das acima mencionadas também contam com divisão de equipes de trabalho, elaboração de materiais de divulgação, palestras, encontros de formação com conteúdo específicos, mobilização para participação dos romeiros, Realização de Caminhada, celebrações.

Objetivo a ser atingido com a atividade:

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão:
Acompanhamento as famílias atingidas pelos projetos de Mineração:
Garantia do reconhecimento das famílias atingidas; Levantamento dos danos sofridos pelas famílias atingidas; Famílias atingidas tenham seus direitos garantidos e sejam indenizadas pelas empresas;

• Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce:

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce
Realização da romaria e da celebração no Parque com debate a certa da situação da Bacia do Rio Doce, pós rompimento da barragem de Fundão; Debate sobre a situação ambiental do Bacia do Rio Doce levando em consideração todos os seres vivos e as florestas; Debate e discussão dos direitos das famílias atingidas pela barragem.

Resultados obtidos a partir da atividade realizada:

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão

• Acompanhamento as famílias atingidas pelos projetos de Mineração.
Famílias reconhecidas como atingidas tendo seus danos sofridos levantados e reconhecidos, com seus direitos garantidos e indenizados.

• Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce
Romaria realizada da bacia do Rio Doce realizada com participação de toda a bacia; Romaria do parque estadual do Rio Doce realizada; Debate a certa da situação da Bacia do Rio Doce pós rompimento da barragem de Fundão realizado com a participação ampla de todos os envolvidos; Debate sobre a situação ambiental do Bacia do Rio Doce levando em consideração todos os seres vivos e as florestas realizado com a participação de todos os envolvidos;

Dia/Horário/Periodicidade da atividade:

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão – Reuniões mensais de duas horas com as comissões de cada município; Reuniões do território a cada dois meses de 3 horas com representantes de cada municio.

• Acompanhamento as famílias atingidas pelos projetos de Mineração – Reuniões bimensais de duas horas em cada município; Acompanhamento das demandas urgentes sendo um em cada município.

• Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce – Reuniões mensais da coordenação diocesana e de província realizadas na segunda quarta feira de cada mês, iniciando as 9:00 h e encerrando as 13:00 h; Realização de um seminário em cada região pastoral no mês de fevereiro sendo realizados nos três primeiros sábados tendo início as 09:00 e encerrando as 16:00hs; Realização das missões populares tendo início no dia 27 de maio e encerrando no dia 01 de maio; Realização da caminhada e celebração da Romaria no dia 02 de junho tendo início as 08:00 e encerrando as 16:00 h.

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce – Realização de duas reuniões em preparação da Romaria na terceira quinta feira dos meses de março e maio tendo início as 18:00 e encerrando as 20:00hs.
Realização da Romaria do Parque Estadual no dia 13 de Julho tendo início as 05:00 encerrando as 14:00 h.
Realização das missas no Parque na primeira quarta feira dos meses de agosto a dezembro tendo inícios as 14:00 h encerrando as 16:00hs.

Números de atendidos (Número total – anual – de pessoas que participaram das atividades/ projetos/serviços/programas desenvolvidos pela entidade, por atividade):

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão:
Número de pessoas atingidas diretamente – 7.000
Número de pessoas atingidas indiretamente – 15.000

• Acompanhamento as famílias atingidas pelos projetos de Mineração:
Número de pessoas atingidas diretamente – 1000
Número de pessoas atingidas indiretamente – 4.000

• Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce
Número de pessoas atingidas diretamente – 10.000
Número de pessoas atingidas indiretamente – 30.000

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce:
Número de pessoas atingidas diretamente – 400
Número de pessoas atingidas indiretamente – 1200

Recursos Humanos e financeiros:

Todo trabalho e realizado com recursos próprio da Entidade advindos do Fundo Diocesano de Solidariedade. Todos trabalho é feito de forma voluntária.

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão – Todas as atividades são realizadas com recursos próprios e com apoio do Fundo Brasil de Direitos Humanos

• Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce:
Encontros foram realizados com recursos próprios da Diocese e dos participantes com o deslocamento;

• Realização da Romaria, missões, infraestrutura e material de divulgação foi realizado com projetos da ADVENIAT
Participação dos romeiros é por conta própria.

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce – Encontros foram realizados com recursos próprios da Diocese e dos participantes com o deslocamento; Material de Divulgação e realização da Romaria é feito com recursos do Parque Estadual; Participação dos romeiros é por conta própria;

• Realização das celebrações conta com apoio da prefeitura com deslocamento dos participantes – Abrangência Territorial (caracterização do bairro/Município onde a atividade é desenvolvida);

• Acompanhamento das famílias atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão – O trabalho é desenvolvido em dois territórios: Território de Rio Casca compreendendo os municípios de Rio Casca, São Pedro dos Ferros, Sem Peixe, São Domingos do Prata e São Jose do Goiabal; Território do entorno do Parque Estadual do Rio Doce compreendendo os municípios de Timóteo, Bom Jesus do Galho, Dionísio, Jaguaraçu, Márlieria, Pingo D’água.

• Acompanhamento as famílias atingidas pelos projetos de Mineração – O trabalho é desenvolvido nos municípios onde estão implantados os projetos de mineração compreendendo os seguintes municípios: São Gonçalo do Rio Abaixo, Barão de Cocais, Rio Piracicaba, Nova Era, Itabira.

J.3) Organização e realização da Quarta Romaria da Bacia do Rio Doce:

A realização da Romaria foi na cidade de Itabira envolvendo toda a participação da Bacia do Rio Doce na organização e todo estado de Minas no dia da Romaria.

• Romaria e Celebração no Parque Estadual do Rio Doce – A Romaria foi realizada no Parque Estadual do Rio Doce em Márlieria envolvendo as celebrações os municípios de Timóteo, Jaguaraçu, Marliéria, Dionísio, São Jose do Goiabal Nova Era.

• Número total de atendidos pela entidade no ano de análise. Diretamente trabalho atingiu cerca de 18.000 pessoas.

d) Organização e Articulação institucional:

• Composição: A Cáritas conta com uma diretoria composta por padres e agentes de pastorais da Diocese. Todos os membros da diretoria são agentes voluntários;

• Reuniões da Diretoria: São realizadas reuniões da Diretoria a cada dois meses;

• Políticas públicas: Participação em conselhos e comitês de Políticas públicas nos municípios onde a cáritas desenvolve suas atividades seus agentes – Conselho da Criança e Adolescente; Conselho da Assistência, Conselho da mulher, Codema;

• Funcionamento da Sede: A sede da cáritas está localizada no ARPAS. Para o seu funcionamento a cáritas mantém uma secretária que faz os atendimentos e acompanhamento aos projetos;

• Recursos financeiros: Fundo Diocesana de Solidariedade: mantém a secretária, e as despesas das reuniões e articulação dos projetos. Cada projeto tem seu orçamento próprio conforme acima relatado.

Veja Também