Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

17 de abril de 2024

Por Cristo, com Maria – encerramento da Festa de Nossa Senhora da Saúde

18/08/2020 . Notícias da Diocese

Não foi como gostaríamos – ou como nós, cristãos católicos, estamos acostumados a celebrar os padroeiros: com a igreja cheia e procissões. Mesmo assim, foi lindo!

Faltou o brilho dos fiéis se espremendo na Matriz Nossa Senhora da Saúde. Faltaram abraços e aquelas tantas faces coroadas de sorrisos largos, abertos, festivos. Mesmo assim, foi lindo!

Nove dias da novena transmitida pela internet. Nove dias de um público fiel, apaixonado pela Senhora da Saúde e que, por devoção, não abriu mão de participar, ainda que de longe, das orações e das missas. Não à toa, são denominados fiéis!

Com o tema: “Com Maria, em família, alimentando a fé e rezando pelo fim da pandemia”, a novena teve início no dia 7 de agosto. Vale ressaltar o quanto foi surpreendente a quantidade de pessoas que acompanharam diariamente pelo facebook e pelo site da Paróquia. Fizeram a novena de suas casas, em família.

Participaram das celebrações, como convidados, o bispo Dom Marco Aurélio Gubiotti (dia 8/08), os padres Ueliton Neves (Vigário Episcopal da Região Pastoral I) e Edson Gonçalves (dias 12 e 13, respectivamente), e o Diácono Maurílio Serafim (dia 14/08). O Diácono Márcio Mota, em estágio pastoral na Paróquia da Saúde, participou ao lado do pároco, Padre Paulo Marcony Duarte Simões, todos os dias.

Aproveitando a Semana Nacional da Família, a novena possibilitou também uma reflexão mais aprofundada sobre o assunto, com temáticas que foram abordadas durante as homilias. Um verdadeiro chamado a esta vocação. As leituras foram proclamadas por casais que puderam participar da celebração.

Festa da Padroeira

Em meio aos aparatos e ações anti-covid-19, tipo álcool gel pra todo lado, tapetes sanitizantes, litros de água + água sanitária, higienizações de microfones, máscaras que mal nos permitem identificar de imediato quem é quem, e o arreda pra lá que não pode ficar perto… deu tudo certo!

A gente até pode pensar, num daqueles instantes de desânimo, que não vai sobreviver a tudo isso. Que vai chegar no mais profundo do poço. Não vamos. Bem ditas foram as palavras do Padre Paulo Marcony na homilia da festa, ao lembrar como surgiu a devoção a Maria com o título de Nossa Senhora da Saúde – exatamente durante uma epidemia que matou milhares de pessoas em Portugal, em 1599.

Sem lugar para enterrar os corpos, foram abertas valas nos arredores do cemitério. Em uma delas, os coveiros se depararam com uma imagem de Nossa Senhora. O povo se reuniu em amor, orações e veneração. Os benefícios foram tantos que realizaram uma procissão em honra a Maria. Pouco tempo depois, a peste cessou. A partir daí, a imagem encontrada na vala passou a ser aclamada como Nossa Senhora da Saúde.

A história nos sinaliza até onde os clamores advindos da fé podem nos levar. Dos pequenos aos grandes sinais, Deus nos fala também através da Mãezinha.

A novena em honra a Nossa Senhora da Saúde foi de encontro ao grande clamor deste tempo: o fim da pandemia. Junto ao perfume dos incensos, sobem aos céus as orações dos fiéis, do próprio povo de Deus que a Ele pede: socorrei-nos!

Maria, Mãe de Jesus, intercessora junto ao Filho, caminha conosco – silenciosa, humilde, terna, acolhedora. A imagem acostumada a sair em procissão, à frente de centenas de pessoas, foi colocada em uma caminhonete. Com ela, seguiram o Padre Paulo e o Diácono Márcio – mãos preparadas para abençoar as dezenas de fiéis que esperaram na porta das casas enfeitadas.

A peregrinação passou por várias ruas dos bairros centrais, área da circunscrição da Comunidade Matriz e também pelo Pronto Socorro Municipal e Hospital Nossa Senhora das Dores.

Ao longo do percurso, muitas pessoas demonstraram sua fé na Mãe da Saúde, algumas ajoelhadas, com imagens nas mãos, altares montados na frente de casa, toalhas penduradas nas janelas, balões e tantos outros enfeites… Cenas bonitas, de famílias inteiras esperando na calçada, ou acenando das janelas. Um alento em tempos de isolamento.

Durante todo o dia, várias atividades marcaram o domingo de festa. Às 10 da manhã, a Santa Missa foi celebrada em ação de graças pelas crianças. Das 12h às 14h aconteceu a retirada do tropeiro nas barraquinhas. Às 15h, o terço mariano com as Irmãs Filhas do Sagrado Coração de Jesus, transmitido direto da Matriz. Às 16h, a peregrinação e às 19h a Santa Missa Solene encerrou os festejos.

Ao final da Santa Missa, a bandeira, erguida no primeiro dia, foi baixada do mastro. Tudo passou tão rápido que ainda não deu tempo de retomar o fôlego do que foi a novena e festa deste ano. Algo tão atípico. Tão fora do nosso jeito de celebrar.

No entanto, se tem algo que vai ficar registrado na memória de cada um é que, com ou sem pandemia, o povo de Deus celebra. Agradece. De um jeito novo aprendemos a entrelaçar as mãos sem contato físico, a ajudar e cuidar sem estar embolado no mesmo espaço. Somos o mesmo povo de Deus que caminha – ora no deserto, ora nas planícies repletas de lírios do campo.

Nos adaptamos e nos refazemos conforme as necessidades. Certo, nisso tudo, é que não importam as dificuldades, todo cristão carrega em si a alegria de professar a fé em Cristo e, com Ele, não há tempo ruim que nos impeça de adorar e dar glória ao Pai.

Liliene Dante

*As fotos da Novena, Peregrinação e Festa da Padroeira estão disponíveis em nossas redes sociais. Acesse nosso facebook para conferir.