Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

05 de outubro de 2022

Grito dos Excluídos 2022

07/09/2022 . Notícias da Diocese

Irmãos e Irmãs!

A graça e paz em Cristo!

“Terra, Trabalho e Teto”.
“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça” (Mt 5,6).

A Diocese de Itabira Coronel Fabriciano, através de seu Conselho Diocesano de Pastoral (COPADI), comprometida com o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, manifesta seu apoio ao 28º Grito dos Excluídos e Excluídas. Este evento que é fruto da Campanha da Fraternidade e da Semana Social Brasileira de 1992, permanece como espaço rico de formação social, tendo como Tema permanente a “Vida em primeiro lugar”, este ano traz como lema: “Brasil, 200 anos de (in)dependência. Para quem?” O Grito é uma manifestação popular carregada de simbolismo, espaço de animação e profecia, sempre aberto e plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas da população mais vulnerável. Assim sendo e fazendo, ajudaremos a construir o Reino de Deus já neste mundo, tornando-o mais fraterno e bom de se viver.

Nestes 28 anos de história, o Grito dos Excluídos e das Excluídas mudou a cara do 7 de Setembro e da Semana da Pátria, chamando o povo para descer das arquibancadas dos desfiles cívicos e militares e participar, ativamente, na luta por seus direitos, nas ruas e praças, nos centros e nas periferias de todo o Brasil. Para ecoar seus gritos de denúncia e de anúncio de um projeto de país mais justo e igualitário, na defesa da dignidade da vida em primeiro lugar. Nossa diocese nunca se furtará a se unir a este esforço profético de luta em defesa e promoção da vida em todas as dimensões.

As expressões do Papa Francisco: “nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem-terra e nenhum trabalhador sem direitos”, no encontro dos movimentos populares, nos comprometem ainda mais. A crise que vivemos vai muito além de uma crise econômica. As alternativas propostas pelos Poderes Executivo e Legislativo Federal têm gerado ainda mais preocupação entre os pobres. O lucro exorbitante, quase ilimitado, com pouco retorno à sociedade por meio do poder público, é o único critério e preside, inconsequentemente, as decisões em relação aos modelos de exploração dos recursos naturais. As mudanças estruturais são necessárias, contudo, devem garantir aquilo que é
direito constitucional.

O ano 2022 tem sido um ano difícil, de muita polarização, mas que tem oportunizado também reflexão, esperança, utopias e lutas por um novo projeto de sociedade, onde a dignidade da vida esteja em primeiro lugar. Nesse contexto fortalecer e apoiar o grito é primordial. Não podemos nos calar ao ver que em nome de soluções paliativas de problemas históricos e de má gestão, se interfira naquilo que é garantia de dignidade ao cidadão brasileiro: educação básica, previdência social, acesso ao sistema único de saúde, salário digno, entre outros. Que nos comprometamos no esforço de superação da exclusão em nosso país, participando da construção de uma sociedade justa, solidária e de cuidado da vida do planeta e do ser humano, como nos convida a Encíclica Laudado Si’.

Queremos firmar nosso compromisso de luta por direitos, por vida para todos. A vida que somos nós, a vida que são os pobres, a vida que são os necessitados, a vida que são os doentes, a vida que são as crianças, a vida que são as mulheres, tão atacadas ultimamente e, a vida dos nossos irmãos e irmãs, que são os negros, os indígenas”. Chega de escravidão! Temos como obrigação restituir a vida, o trabalho com dignidade, o teto, a alimentação. Nós temos direito e dever de intervir no rumo da história do mundo, do nosso país, do nosso estado, da nossa cidade, da nossa comunidade.

É urgente que nos unamos e nos fortaleçamos, diante do quadro de exclusão ampliado pela pandemia, precarização da vida e do trabalho, milhões de pessoas desempregadas e graves ataques do governo federal à democracia garantida pela Constituição Federal de 1988. A exclusão se dissemina, através de mentiras e fake news nas redes sociais, através de discursos de ódio, de racismo e machismo, de discursos armamentistas, carregados de preconceito contra as diferenças e principalmente contra os mais pobres.

Unida às demais dioceses da Província de Mariana, da Diocese de Guanhães e dioceses que compõem a Bacia do Rio Doce, nossa diocese se fará presente na V Romaria das Águas e da Terra da Bacia do Rio Doce, no dia 4 de setembro, na cidade de Conceição do Mato Dentro, no cuidado com a Mãe Terra, das Águas e da Vida, na luta contra mineração predatória, em defesa da ecologia integral, em vista da justiça sócio ambiental.

E no dia 7 de setembro, como Igreja particular de Itabira Coronel Fabriciano, em meio ao momento de crises – social, ambiental, sanitária, humanitária, política e econômica – em que vivemos denunciamos toda e qualquer forma que coloca em risco a democracia e a soberania do nosso país. Gritamos e proclamamos juntos: “A vida em primeiro lugar!” “São belos os pés do mensageiro que anuncia a paz” (Is 52,7). São significativas, pois, são essas propostas do Papa Francisco para que a humanidade avance em direção à paz.

Consideremo-las na construção de uma nação diferente, especialmente nos debates e nas escolhas eleitorais de 2022, afinal, é função do Estado e dos gestores públicos, salvaguardar a vida de todos, integralmente, e garantir justiça social como condição para a paz. O diálogo é o caminho de Deus com a humanidade: deve ser o nosso caminho para o encontro fecundo com o outro!

Itabira, 15 de agosto de 2022

Coordenação Diocesana de Pastoral