Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

03 de agosto de 2020

Clero da Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano participa de retiro on-line

07/07/2020 . Notícias da Diocese

Só a caridade pode fazer florescer a graça. (Cf. Rm 13, 8.10)

Para o crescimento espiritual e ministerial, entre os dias 01 e 02 de julho o clero da Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano se reuniu, de forma virtual, pela plataforma Teams, para seu retiro anual. O retiro foi orientado por Dom Vicente de Paula Ferreira, C.Ss.R, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e os momentos de oração e reflexão aconteceram em quatro momentos. Apesar de não ter havido o encontro presencial, o retiro foi ocasião propícia de oração, de vivência da fraternidade presbiteral e oportunidade de partilha do nosso ministério.

Sendo oportunidade para renovação de nossa espiritualidade e chamados a empreender o caminho da conversão pessoal que nos leva à conversão pastoral, meditamos nesses dias sobre “A espiritualidade do presbítero em tempos de pandemia”. Como pastores, somos chamados a cuidar de nossa vida espiritual para que assim possamos cuidar do rebanho que nos foi confiado: “Cuidai de vós mesmos e de todo o Rebanho, pois o Espirito Santo vos constitui como guardiães” (At 20,28).

Indagados com a pergunta “quem é o sujeito presbítero?”, Dom Vicente apontou que o presbítero é filho do seu tempo, ministro do Evangelho. Ele não é filho de uma cultura da segurança epistemológica e muito menos dos afetos ordenados. Disse: “Enquanto ministro da unidade e responsável pela direção da comunidade, ele preside a Eucaristia, sacramento que visibiliza a essência da Igreja. Age sempre em comunhão com o bispo, em função de todo corpo sacerdotal dos batizados. Sua identidade é formada por uma união dialogal com o Cristo e a comunidade. Ele não tem a síntese de todos os ministérios, mas exerce o ministério da síntese”.

Falando da espiritualidade do presbítero como pastor que cuida do rebanho, destacou Dom Vicente: “Não é possível falar em espiritualidade presbiteral, sem tocar na dimensão de que a vocação do presbítero é um encontro de fé com o rosto encarnado de Cristo, bom pastor, e com o rosto sofrido dos irmãos e irmãs. Quando falamos do pastor que cuida das ovelhas, falamos também que ele espanta os lobos”.

O retiro também foi ocasião de reflexão e de solidariedade com os nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis, que passam por dificuldades ainda maiores que as nossas neste tempo de pandemia. Nosso orientador recordou-nos os que vivem em áreas que foram devastadas por crimes ambientais, dizendo que “é urgente que saiamos de um extrativismo que faz agonizar a Casa Comum”, concluiu.

No último dia de reflexão de nosso retiro, meditamos sobre a missão do presbítero que está intimamente conectada na imagem da Trindade, e ele, como ministro do Evangelho, é mensagem amorosa do amor de Deus para o mundo. Dom Vicente disse que o presbítero ou é trinitário ou seu ministério será fracassado. Esse mistério não pode jamais ser esquecido ou lembrado somente como gesto quando em nós traçamos o sinal da cruz. A vida do presbítero deve estar sempre configurada à Trindade, que é comunhão de pessoas sem grau de hierarquia.

Finalizamos o retiro com um momento de louvor a Deus por Maria, serva predileta. Maria, Mãe dos sacerdotes, é o amor que ampara e acolhe. Recordando duas cenas marcantes na vida de Maria, em Caná e junto à cruz, se conclui que ela é a Mãe pedagoga da fé que estimula os discípulos a fazerem o que o Senhor pede. Mesmo em meio ao sofrimento, quando não há mais sinais, Maria permanece de pé, junto à cruz. Na batalha contra o mal, ela persevera na luta e vence o dragão (Cf. Lc 10,18). Junto aos discípulos, persevera na oração e vê nascer a Igreja, em Pentecostes (Cf. At 1,13-14).

Agradecemos a Dom Vicente pela disponibilidade de assumir e conduzir este momento de espiritualidade do clero de forma tão remota.

Participaram do retiro: Dom Marco Aurélio Gubiotti, bispo diocesano, Dom Odilon Guimarães Moreira, bispo emérito, padres, diáconos permanentes e dois seminaristas que se preparam para serem ordenados diáconos, totalizando sessenta e oito participantes.

Que Maria, a Senhora Aparecida, nossa Mãe e padroeira, nos auxilie em nosso caminhar rumo ao Pai.

Itabira, MG
07 de julho de 2020

Pe. Ueliton Neves da Silva
Assessor de Comunicação da Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano