Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

22 de abril de 2024

Nota de Pesar

31/07/2023 . Igreja

“Combati o bom combate, guardei a fé”” (2Tm 4,7-8)

A comissão para o Meio Ambiente da Província Eclesiástica de Mariana, composta pelas (arqui) dioceses de Mariana, Caratinga, Governador Valadares e Itabira-Coronel Fabriciano, nesses dias que se seguem à morte e sepultamento do querido Pastor e amigo Dom Geraldo Lyrio Rocha, Arcebispo emérito de Mariana, vem manifestar o seu pesar e expressar condolências aos seus familiares e aos que tiveram a graça de conhecê-lo e de, com ele, conviver e experimentar sua amizade e seu pastoreio.

Dom Geraldo foi quem acolheu e aprovou, como metropolita, em 2014, a constituição desta Comissão e, em todos esses anos, alguns deles como bispo emérito, sempre manifestou seu apreço e total apoio a essa iniciativa que irmana nossas dioceses no compromisso com a vida humana e do planeta, nossa Casa comum, na linha da Ecologia integral, como nos ensina o Papa Francisco, sobretudo, nas exortações apostólicas Laudato Si e Fratelli Tutti. Em 2015, dom Geraldo vivenciou, com todos nós, a dor pelo rompimento da Barragem de rejeitos de Fundão, em Bento Rodrigues, distrito de Mariana. Àquele momento, com muitas iniciativas que se desdobram até aos nossos dias, inclusive através desta Comissão, dom Geraldo foi sempre porta-voz de uma palavra firme da Igreja em favor dos atingidos/as, em toda a extensão da Bacia do Rio Doce.

Na última Romaria das Águas e da Terra da Bacia do Rio Doce, realizada em 18 de junho, em Regência, na cidade de Linhares-ES, na foz do Rio Doce, suas palavras foram muito proféticas e contundentes “… que os responsáveis pela tragédia possam assumir os compromissos inerentes ao prejuízo enorme feito à vida, às pessoas, ao meio ambiente e nós possamos construir, juntos, uma sociedade nova mais igual, mais humana e mais fraterna…”

Sua vida, vivida à luz do ministério ordenado, foi sempre pautada, como asseverava o seu lema episcopal: “Faze a obra de um evangelista”, em anunciar e testemunhar Jesus Cristo, no amor serviçal em favor do povo de Deus e por uma Igreja toda ministerial, comprometida com a vida, a justiça, a caridade e a paz, atenta, com um amor de predileção, aos pequenos e mais necessitados.

Lamentamos o seu falecimento. A Igreja no Brasil perde um grande referencial, mas ela, e assim todos nós, Povo de Deus – Igreja viva, ganhamos um intercessor a mais junto de Deus. O exemplo e o testemunho de Dom Geraldo, sua alegria contagiante, sua fineza em tratar as pessoas, sua vontade e determinação firme de fazer o bem, na missão de “fazer a obra de um evangelista”, nos estimule a continuar nossa missão, à luz da fé e na defesa da vida, de lutar, de modo especial, pela regeneração social e ambiental em toda a extensão da Bacia do Rio Doce, seguindo na estrada de Jesus que veio para que “todos tenham vida e vida em plenitude” (Jo 10,10).

Ao nos recordar de Dom Geraldo, fazemos memória de outros que também fizeram sua Páscoa definitiva e hoje se encontram na Casa do Pai. Guardados em nosso coração, na lembrança saudosa e grata de cada dia, são recordados, de modo especial, em nossas romarias pelos seus nomes, sua história, seu testemunho. A eles, se soma, de agora para frente, mais um brado do povo em caminho, que diante da pergunta sobre “Dom Geraldo”, com voz forte, entrecortada de saudades e gratidão, vai dizer “Vive”. De fato, vive diante de Deus e no coração e nas lutas de todos nós. Obrigado, Dom Geraldo!

Comissão para o Meio Ambiente da Província Eclesiástica de Mariana
Fórum Permanente em Defesa da Bacia do Rio Doce
Instituto Padre Nelito Nonato Dornelas