Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

23 de junho de 2021

Paróquia Nossa Senhora da Penha

Criação: 28 de janeiro de 1973
Instalação: 19 de março de 1973

O terreno (chamado máquina de fazer café) foi doado pelo senhor “Luiz Machadinho” (dono de grande extensão de terra) e em meados de 1955 foi lançada a pedra fundamental para a construção da “Capela”, dando início em 1956. Em regime de mutirão, os moradores da Vila Piedade, homens, mulheres, jovens e crianças empenharam-se nesta tarefa de construírem a tão sonhada capela em honra a Nossa Senhora da Penha. O senhor Vicente Gonzaga, era um dos responsáveis pela obra, dentre outros como o senhor Luiz Ventura, José Engrácia, Sebastião da Luz, Carlos Fagundes, José Isidoro, Cruzelino, Joaquim Adão, Antônio Vitor, Alcides, João Garcia, Helio Alves, Dona Albertina, João e Onilha, Sebastião Gaspar, José Duarte, Marciano, Honorato, Raimundo Nonato, Dona Augusta, Antônio dos Santos, Wilson Batista, Paulo Araújo, Raimundo Martins, Geraldo Santana, José Maria de Almeida, Antônio Zeferino, José Nicolau, Joaquim Margarida dos Santos, senhor Bebé, José Claudiomiro, José Raimundo Roberto. As mulheres ajudavam fazendo cafezinho, um suco, levando água para o  lanche. As crianças ajudavam carregando latinhas de água para os pais fazerem as massas e concretos e cada criança da família representava a doação de 01 telha para o telhado da “Igrejinha” (nome carinhosamente dado mais tarde pelos moradores). Além da ajuda dos moradores, o empresário Diogo Bethônico e o prefeito Daniel José de Grisolia muito ajudaram financeiramente para a construção. Era sacerdote na época o Cônego José Lopes Magalhães (Zé Lopinho, nome carinhoso), vigário na igreja de Nossa Senhora da Saúde. O senhor “Brasinho” fez a doação da imagem de Nossa Senhora da Penha e senhor Alcides Frederico doou a imagem do Sagrado Coração de Jesus. O sino da torre foi doado pelo senhor Francisco Alves e o sacrário dourado foi doado por Dona Quininha.

No dia 28 de janeiro de 1973, por decreto assinado por Dom Mário Teixeira Gurgel, foi criada a Paróquia Nossa Senhora da Penha, sendo desmembrada das paróquias Nossa Senhora da Saúde e Nossa Senhora de Fátima. Pelo decreto de criação, a nova paróquia passou a ser constituída pelos seguintes bairros e áreas rurais: Vila Piedade, Vila Santa Rosa, Esplanada da Estação, Caminho Novo, Vila São Geraldo, Vila Santa Isabel, loteamento Santa Rosa, Senhora das Oliveiras, Praia, estação Laboriaux e adjascências, Oliveira Castro e Ribeirão São José de Baixo.

Em 19 de março de 1973, em missa presidida por Dom Mário na Igreja Nossa Senhora da Penha, escolhida como Sede da Paróquia e constituída Matriz, foi instalada a nova paróquia e empossado o seu primeiro pároco, Cônego José Lopes Magalhães. Participaram da missa de instalação os padres Joaquim Santana, Frei Vital e o Cônego José Lopes dos Santos (Monsenhor José Lopão).

Na década de 1970, teve início a construção da Igreja dedicada a São Geraldo Majela no Bairro Major Lage de Baixo possibilitando um espaço dedicado a devoção. No início da década de 1980, um grupo de pessoas começou a realizar caravanas para Curvelo a fim de manter contato com o Santuário e Basílica de São Geraldo, trazendo de lá o desejo de que a devoção se fortalecesse.

Ao final do século XX, emergiu a ousada proposta de construção de um Santuário dedicado a são Geraldo no município-sede da Diocese.

No ano 2000, percebendo a grande devoção ao santo redentorista, idealizou-se um Santuário para acolher os fiéis de Itabira e região. O início deste sonho contou com a importante colaboração do Padre Taumaturgo Assis de Oliveira que, num primeiro momento se preocupou em adquirir o terreno e trazer para a paróquia a relíquia de São Geraldo, vinda da Itália, atualmente exposta no Santuário para veneração pública. A relíquia dos ossos de São Geraldo foi trazida da Itália para Itabira pelo Pe. Mássimo no dia 14 de junho de 2002. Em 2003 a Companhia Vale do Rio Doce doou à Paróquia Nossa Senhora da Penha uma área de 4.262,75m² com a finalidade da construção do Santuário dedicado a São Geraldo. O projeto idealizado pelo Pe. Taumauturgo sofreu diversas alterações no gestão do Pe. Cleverson e, atualmente, na gestão do Pe. Ueliton.

Em janeiro de 2009 assumiu a paróquia o Pe. Cleverson Francisco da Silva Pinheiro e no dia 3 de setembro de 2009, iniciou-se a execução do projeto no terreno do Bairro Esplanada da Estação, projeto este ainda em execução. Mesmo em fase de acabamento, o Santuário conta uma programação intensa de atividades pastorais para atender aos fiéis e alimentá-los em sua devoção geraldina: novena pérpetua semanal; missa votiva mensal, todo dia 16; Oitavário de São Geraldo, em julho; feira da providência, em setembro; Novena e Festa de São Geraldo, em outubro; mergulhos de Naamã; cerco de Jericó etc. Grupos pastorais que se reúnem no Santuário atualmente: terço dos Homens, Irmandade de São Geraldo, grupo de oração adorai, grupo das santas chagas, movimento das mães que oram pelos filhos, fraternidade filhos de Maria, grupo de brigadistas etc.

Aos 23 de janeiro de 2017, em missa presidida por Dom Marco Aurélio Gubiotti, bispo diocesano, no Santuário São Geraldo Majela, o Pe. Ueliton Neves da Silva foi empossado como administrador paroquial, tendo sido transferido da Paróquia São Domingos de Gusmão, em São Domingos do Prata. Na Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, dia 12 de outubro de 2018, Dom Marco Aurélio Gubiotti, em missa celebrada no Santuário São Geraldo, assumiu o ofício de pároco.

Em 2017 foi reformada e inaugurada a nova secretaria paroquia, na Vila Piedade. Neste mesmo ano passou por algumas reformas e adaptações a igreja da comunidade Sagrado Coração de Jesus. Em outubro deste mesmo ano foi entronizado e abençoado o Cristo Crucificado no presbitério do Santuário São Geraldo; em 2018 foi concluída a instalação do forro e aquisição dos móveis de algumas dependências do Santuário; em 2019 foi realizada a reinstalação dos aparelhos de ar condicionado e o revestimento interno com massa corrida. Em 2019 iniciou-se a reforma da igreja da comunidade Nossa Senhora das Graças, no Oliveira Castro, em andamento. Final de 2020 iniciou-se a reforma da igreja da comunidade São Geraldo, no Major Lage de Baixo (Caminho Novo), em andamento. Em 2021 passou por reforma a igreja da comunidade São José, no Ribeirão São José de Baixo, zona rural.

Em março de 2018 a Igreja Matriz passou por uma grande reforma. O desafio foi muito grande diante do estado que a igreja se encontrava. Foi necessário um empenho muito grande de todos na realização de diversas campanhas para obter os recursos necessários. Graças ao bom Deus, auxiliados pela Virgem Maria e com o apoio de todos os paroquianos, a reforma foi concluída no final do mesmo ano. No dia 23 de dezembro aconteceu a reinauguração da Igreja Matriz. Depois de uma linda procissão que saiu da Comunidade São Geraldo, o rito de inauguração teve início do lado externo, onde houve o descerramento da placa inaugural, dando continuidade do lado interno. Na mesma cerimônia foram abençoados o novo Altar, Ambão, Cristo Crucificado do presbitério e abençoada a nova sacristia, sala de atendimento e capela do Santíssimo. A missa foi presidida pelo pároco, Pe. Ueliton Neves da Silva, concelebrada pelo Pe. Márcio Flávio, filho da paróquia e missionário da Congregação do Imaculado Coração de Maria (CICM) e assistida pelo Diác. Maurílio.

Em 2019, diante da necessidade pela expansão dos bairros que compreende a comunidade Sagrado Coração de Jesus, foi criada a comunidade São Judas Tadeu, que compreende o bairro Colina da Praia e adjacências.

No dia 19 de abril de 2021, acompanhado por Pe. Ueliton Neves da Silva, pároco, Dom Marco Aurélio Gubiotti, bispo diocesano, assinou no Cartório de 2º Ofício, em Itabira, os documentos necessários para darmos continuidade ao processo de registro da Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha. O processo agora segue no Cartório de Registro de Imóveis no mesmo município.

Atualmente a paróquia é composta por 13 comunidades eclesiais, sendo seis na zona rural (Comunidade São José, Ribeirão São José de Baixo; Comunidade Nossa Senhora Aparecida; Ribeirão São José de Cima; Comunidade São Pedro, Pedros; Comunidade Nossa Senhora das Graças, Oliveira Castro; Comunidade São João Bosco, Laboraux e Comunidade Santo Antônio de Santa’Ana Galvão, Engenho) e sete na zona urbana (Matriz Nossa Senhora da Penha, Vila Piedade; Comunidade São Geraldo Majela, Bairro Major Lage de Baixo; Comunidade Sant’Ana, Bairro Juca Rosa; Comunidade São Cristóvão, Bairro São Marcos; Santuário São Geraldo Majela, Esplanada da Estação; Comunidade Sagrado Coração de Jesus, Bairro Praia e Comunidade São Judas Tadeu, Bairro Colina da Praia).

A paróquia tem dois filhos padres: Pe. Ronaldo Tôrre, da comunidade Sagrado Coração de Jesus, ordenado no dia 01 de agosto de 2009, pertencente ao clero diocesano e o Pe. Márcio Flavio, missionário da Congregação do Imaculado Coração de Maria (CICM), da Vila Piedade, ordenado no dia 12 de maio de 2012.

Muitos padres já trabalharam na paróquia, dentre eles: Cônego José Lopes Magalhães (1973 a 1974); Padre Joaquim Santana de Castro (1974); Padre Basílio Westgeest (1974 a 1979); Padre Pedro Paulo Pessoa (1979 a 1982); Padre Geraldo Barreto Trindade (1983); Padre Rafael Dhondt, CICM (1984 a 1988); Padre Juliano Vandevoorde, CICM (1988 a 1997); Padre Elson Vital dos Reis (1997); Padre Taumaturgo Assis de Oliveira (1998 a 2005); Padre Rogério Baumann Hernandes (2005); Padre Renato Menezes Cruz (2005 a 2009) e Padre Cleverson Francisco da Silva Pinheiro (2009 a 2016). Desde janeiro de 2017 a paróquia está sob a administração do Padre Ueliton Neves da Silva, no ofício de pároco, e desde fevereiro de 2019 tendo a colaboração do Padre Edson Vander Fernandes Gonçalves, como Vigário Paroquial. E assim a nossa história continua…

No início do século XVII era então este lugar, hoje tão aprazível e poético, uma sesmaria erma e triste, onde uma flora exuberante e baldia abrigava uma fauna diversa e hostil, quando o Capitão Baltazar de Abre Cardoso ia subindo o penhasco (lugar elevado e rochoso), para ver sua grande fazenda, e de repente, aparece-lhe uma grande serpente prestes a atacá-lo. Inerte, só, incapaz de defender-se, acode-lhe uma visão e de seus lábios irrompe a invocação: “Minha Nossa Senhora, valei-me”. Nesse preciso momento surge um lagarto, inimigo das cobras. Travou-se uma luta mortífera entre os dois animais, Baltazar, por sua vez, não perdeu tempo e fugiu. Depois de ter se refeito e recobrado as forças respirando fundo, Baltazar reconheceu que o aparecimento do lagarto se devia a uma intervenção protetora de Nossa Senhora, a quem ele tinha pedido socorro. Em reconhecimento por tão importante gesto maternal, Baltazar constrói uma pequena ermida com uma imagem de Nossa Senhora, a quem chamou de Nossa Senhora da Penha por se encontrar no alto do penhasco. Como a devoção a Nossa Senhora do alto do penhasco foi se espalhando e cada vez era maior o número de fiéis que visitavam a imagem de Nossa Senhora, uns para agradecer e outros para pedir a sua proteção e intercessão, foi criada a Irmandade de Nossa Senhora da Penha e ampliada a ermida no ano de 1728, sendo também construído um campanário onde foram colocados dois pequenos sinos. .
No ano de 1817 ia subindo a pedra um piedoso casal quando a esposa (Maria Barbosa) comentou com o marido que iria pedir a Nossa Senhora da Penha para interceder por eles para que Deus lhe concedesse um filho, visto que já estavam casados há alguns anos e não tinham a alegria de terem filhos.
Dona Maria Barbosa pediu, confiou e prometeu que, se tivesse um filho mandaria esculpir no duro granito do penhasco uma escadaria para facilitar o acesso dos devotos de Nossa Senhora da Penha ao Santuário.
No ano seguinte, o casal era presenteado com um lindo filho e no ano de 1819 a escadaria estava feita conforme a temos hoje. São 382 degraus, mais ainda do que os números dos dias do ano, como muitos costumam acredita. No ano de 1870, foi demolida a ermida e construído em seu lugar, um novo templo: a igreja com uma torre e novos sinos. Em 1900, houve outra reforma. Construíram-se mais duas torres e nelas colocaram mais sinos que até hoje, são registros do passado.

Pároco

Pe. Ueliton Neves da Silva

Vigário Paroquial

Pe. Edson Vander Fernandes Gonçalves

Telefone

(31) 3831-3844

Telefone

(31) 3831-8146 - Santuário São Geraldo Majela

Site

www.saogeraldomajela.com.br

E-mail

pnspenha@dioceseitabira.org.br

Comunidades

Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha
Rua José Hilário, 56-Vila Piedade

Igreja Sagrado Coração de Jesus
Rua Bom Jesus,11-Praia

Igreja São Geraldo Majela
Rua Morganito, 248-Major Lage de Baixo

Santuário São Geraldo Majela
Av. Mauro Ribeiro, 405-Esplanada da Estação

São Judas Tadeu
Bairro Colina da Praia

Sant’Ana
Conferência Santo Antônio - Bairro Juca Rosa

São Cristóvão/São Marcos
Av. Suécia. Bairro São Marcos

Comunidades Rurais
São João Bosco
Laboreaux

Nossa Senhora Aparecida
Ribeirão São José de Cima

São José
Ribeirão São José de Baixo

Santo Antônio de Sant’Ana Galvão
Engenho

Nossa Senhora das Graças
Oliveira Castro

São Pedro
Pedros

Horários de Missas e Celebrações

Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha
Domingo: 19:30
Quinta-feira: 07:00 (Exceto a 3° quinta-feira)
3° Quinta-feira: 19:00 (Missa com Bênção do Santíssimo Sacramento)
1° Sexta-feira: 07:00

Igreja Sagrado Coração de Jesus
Sábado: 19h30
Quarta-feira: 19:00 (Missa com Bênção do Santíssimo Sacramento)
1° Sexta-feira: 19:00

Igreja São Geraldo Majela
Domingo: 18:00
4° Quinta-feira: 19:00 (Missa com Bênção do Santíssimo Sacramento)
1° Sexta-feira: 15:00
Todo dia 16 do mês: 19:30 - Missa em honra a São Geraldo Majela. (Exceto quando cai no domingo ou na segunda-feira a missa é celebrada no Santuário São Geraldo Majela).

Santuário São Geraldo Majela
1° Sábado: 16:00
Domingo: 07:00
Segunda-feira: 19:30
3° Terça-feira: 19h30 (Missa das Santas Chagas)

São Judas Tadeu
2° e 4° Sexta-feira: 19:30

Sant’Ana
3° Domingo: 09:00

São Cristóvão/São Marcos
2° e 4° Domingo: 09:00

Comunidades Rurais
São João Bosco – Laboreaux
1° Quinta-feira: 19:00

Nossa Senhora Aparecida – Ribeirão São José de Cima
2° Sábado: 15:00

São José – Ribeirão São José de Baixo
1° Domingo: 10:30

Santo Antônio de Sant’Ana Galvão– Engenho
4° Sábado: 15:00

Nossa Senhora das Graças – Oliveira Castro
1° Domingo: 09:00

São Pedro – Pedros
3° Sábado: 16:00