Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

16 de julho de 2020

Paróquia Cristo Rei

Com o crescimento da cidade de Ipatinga, exigiu-se também que a igreja se organizasse melhor. Devido a distância entre o bairro Horto, sede da paróquia, e da vila que rapidamente se desenvolvia, o Bispo Dom Marcos Antônio de Noronha optou pela criação de uma nova paróquia mais no centro da cidade, apos várias pesquisas e consulta aos fiéis.

Nascendo assim a nova paróquia de Ipatinga: “Cristo Rei”, no dia 11 de fevereiro de 1963, abrangendo quase toda cidade: o que hoje é Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Iguaçu, Paróquia Cristo Libertador – Canaã e Paróquia Sagrada Família – Caravelas e destas tiveram origem as demais paróquias.

O primeiro pároco, o padre João de Oliveira, tomou posse no dia 31 de março de 1963. Juntamente com ele trabalhou o padre José Maria De Man, mais conhecido como padre De Man, e mais tarde, padre Geraldo Barreto Trindade. No final de 1966, assumiram a paróquia, com a Congregação dos Monfortinos, os padres Alberto Desfreche e Horário. Esses padres ficaram apenas um ano e, em 7 de novembro de 1967, Padre Cícero de Castro de Castro assumiu a Paróquia Cristo Rei e a coordenação do “Zonal Três”. Padre Cícero ficou até dezembro de 1973, quando faleceu. A Paróquia ficou sem pároco, de dezembro de 1973 a fevereiro de 1974, quando novamente, no dia 3 de fevereiro de 1974, tomou novo ânimo e rumo com padre José Miranda.

As principais ideias sobre o reinado de Cristo estão expressas na Encíclica Quas Primas do Papa Pio XI, publicada em 1925 e em diversos documentos do Vaticano. O Papa Pio XI instituiu esta solenidade em 1925 com o intuito de fortalecer a fé dos cristãos, devido ao crescimento de correntes de pensamento seculares e laicistas que se opunham aos valores cristãos.

No início do século XX, o mundo, que ainda estava se recuperando da Primeira Guerra Mundial, fora varrido por uma onda de secularismo e ódio à Igreja, como nunca visto na história do Ocidente. O fascismo na Itália, o nazismo na Alemanha, o comunismo na Rússia, a revolução maçônica no México, anticlericalismos e governos ditatoriais grassavam por toda parte. É neste contexto que, sem medo de ser literalmente “politicamente correto”, o Papa Pio XI institui uma festa litúrgica para celebrar uma verdade de nossa fé: mesmo em meio a formas diversificas e injustas de governo e perseguições à Igreja, Nosso Senhor Jesus Cristo continua a reinar sobre toda a história da humanidade.

As origens do reconhecimento do reinado de Cristo se encontram no próprio evangelho. Cada um dos escritores dos quatro evangelhos colocou uma ênfase especial em seu livro, mesmo que todos eles proclamassem a mesma mensagem: Mateus fala de Cristo, o Rei; Marcos mostra Cristo, o Servo; Lucas apresenta Cristo, o Homem; João anuncia Cristo em Sua divindade.

O Evangelho do Rei, que é Mateus, menciona claramente que os magos do Oriente procuravam um rei: “Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo” (Mt 2.1-2).

Porém a menção direta, mais literal, ao Rei cujo reinado jamais teria fim não é encontrada em Mateus, mas em Lucas, tão preocupado em mostrar Jesus como Homem, Lucas fala sobre o nascimento de um Rei: “…ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim” (Lc ,33).

Há mais uma passagem em um dos quatro evangelhos onde nosso Senhor é chamado de Rei. Está no Evangelho de João. No contexto da entrada triunfal de nosso Senhor em Jerusalém no Domingo de Ramos, João cita Zacarias 9.9: “Não temas, filha de Sião, eis que o teu Rei aí vem, montado em um filho de jumenta” (Jo 12.15). Essa é, sem dúvida, uma clara indicação da honra real que cabe a Jesus Cristo.

Cristo não reina de acordo com categorias humanas, o seu reinado, esclarece, não é deste mundo. A Cristo pertence o Reino de Deus. Em um importante diálogo com Pilatos, durante o seu julgamento, afirma o seu reinado. “Tu és Rei? ” Pergunta Pilatos diante no tribunal. “Tu o dizes, eu sou rei. Para isso nasci e vim ao mundo, para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta minha voz” (Jo 18,37). Jesus é rei da verdade. Pilatos pergunta-lhe: “O que é a verdade? ” Mas não espera a resposta. E Jesus já tinha respondido: “Eu sou a Verdade e a vida” (Jo 14,6). O fundamento sobre a dignidade e poder de Nosso Senhor como Rei é também é definido nos primeiros séculos da nossa Igreja por São Cirilo de Alexandria, quando escreve: “Numa palavra, possui o domínio de todas as criaturas, não pelo ter arrebatado com violência, senão em virtude de sua essência e natureza”.

Encerrar o Ano Litúrgico com a Solenidade de Cristo Rei é consagrar a Nosso Senhor o mundo inteiro, toda a nossa história e toda a nossa vida. É entregar à sua infinita misericórdia um mundo onde reina o pecado.

Portal Kairós

Administrador Paroquial

Pe. Eugênio Ferreira de Lima, CR

Telefone

(31) 3821-2440

Site

www.paroquiadecristorei.com.br

E-mail

paroquiadecristorei@yahoo.com.br

Comunidades

Matriz Cristo Rei
Av. 28 de abril, 583 - Centro

Comunidade São Miguel
Rua Campinas, 510 - Veneza I

Santa Madalena
Rua Niterói, 630 – Veneza II

Senhor dos Passos
Rua. São Clemente, 32 – Novo Cruzeiro

Divino Espírito Santo
Rua um, 10 – Planalto II

Nossa Senhora Aparecida
Rua Tancredo Neves, 125 – Morro do Sossego

Nossa Senhora Aparecida
Rua Rio Negro, 225 – Parque das Águas

Nossa Senhora de Fátima
Rua Jânio Quadros, 64 – Cidade Nova
Santana do Paraíso

São João Batista
Av. Carlos Edmundo Landaeta, 1799 - Cidade Nova
Santana do Paraíso

Horários de Missas e Celebrações

Terça-feira
12h - Igreja Matriz Cristo Rei

Quinta-feira
07h - Igreja Matriz Cristo Rei
19h30 - Comunidade Nossa Senhora de Fátima (Última quinta-feira)

Sexta-feira
07h - Igreja Matriz Cristo Rei (1ª Sexta-feira)
15h - Comunidade Divino Espírito Santo (1ª Sexta-feira)
19h30 - Comunidade Nossa Senhora de Fátima (1ª Sexta-feira)
19h30 - Comunidade São Miguel

Sábado
18h - Comunidade Nossa Senhora de Fátima
19h30 - Comunidade São João Batista
19h30 - Comunidade Nossa Senhora Aparecida (Parque das Águas)

Domingo
7h - Comunidade Santa Madalena
8h - Comunidade Nossa Senhora Aparecida (Parque das Águas)
8h - Comunidade São Miguel
8h - Comunidade Nossa Senhora de Fátima
9h - Igreja Matriz Cristo Rei
9h - Comunidade Santa Madalena
9h - Comunidade Senhor dos Passos
10h - Comunidade São João Batista
18h - Comunidade São Miguel
18h - Comunidade Santa Madalena
18h - Comunidade Nossa Senhora de Fátima
18h - Comunidade Nossa Senhora Aparecida (Morro do Sossego)
19h30 - Comunidade Senhor dos Passos
19h30 - Comunidade Divino Espírito Santo
19h30 - Igreja Matriz Cristo Rei