Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

24 de abril de 2024

Dom Marco Aurélio Gubiotti “Pela Graça de Deus” (1 Cor 15,10)
Nasceu no dia 21 de outubro de 1963, em OuroFino/MG, filho de Benedito Gubiotti e Natalina Gubiott.

Cursou filosofia no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, e a teologia no Instituto Teológico SCJ, em Taubaté (SP).

Exerceu o ministério sagrado nas paróquias:
São Caetano em Brasópolis;
Santo Antônio em Jacutinga; Nossa Senhora Aparecida em Tocos do Moji;
São Sebastião em São Sebastião da Bela Vista e Nossa Senhora de Fátima em Santa Rita do Sapucaí.

Semana Santa e Tríduo Pascal: a Páscoa de Cristo é a nossa Páscoa

05 de março de 2024 Palavra do Bispo

Queridos irmãos, queridas irmãs, amado povo de Deus, a paz do Senhor esteja convosco.

Na Solenidade da Epifania do Senhor escutamos o anúncio das solenidades móveis do ano, nestes termos: “Nos ritmos e nas vicissitudes do tempo recordamos e vivemos os mistérios da salvação. O centro de todo o ano litúrgico é o Tríduo do Senhor Crucificado, Sepultado e Ressuscitado, que culminará no Domingo de Páscoa, este ano a 31 de março”.

Na liturgia, de fato, recordamos e vivemos o Mistério Pascal de Cristo, causa de nossa redenção, não apenas como narração de fatos passados, tragados para sempre pelo passado que não volta mais, mas, pelo contrário, somos inseridos no tempo da graça (kairós), no hoje de Deus, que atualiza nas celebrações litúrgicas os acontecimentos salvíficos de Deus em favor do seu povo. A liturgia, com efeito, é memorial da Páscoa de Cristo, acontecimento irrepetível, mas que nos toca todos os dias de modo novo e atual, na Palavra e no Sacramento, e de modo especialíssimo nas celebrações da Semana Santa com o seu cume no Tríduo Pascal.

Como afirmou a constituição Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia: “Com esta recordação dos mistérios da Redenção, a Igreja oferece aos fiéis as riquezas das obras e merecimentos do seu Senhor, a ponto de os tornar como que presentes a todo o tempo, para que os fiéis, em contato com eles, se encham de graça” (n. 102). A Semana Santa, portanto, antes chamada de Semana Maior, por causa da densidade dos acontecimentos nela celebrados, é este tempo especial para nos enchermos da graça do Senhor e, para que tenha eficácia em nossas vidas, é necessário celebrá-la e vivê-la, passo a passo, na contemplação dos mistérios celebrados, desde a entrada do Senhor em Jerusalém (Domingo de Ramos da Paixão do Senhor) até à consumação de sua Páscoa, também na Cidade Santa. É um tempo de especial recolhimento que jamais pode ser confundido com um feriado prolongado. É tempo de graça e misericórdia, de associarmo-nos ao Senhor em sua paixão, morte e ressurreição.

“Com a missa celebrada nas horas vespertinas da Quinta-feira Santa, a Igreja dá início ao tríduo pascal e recorda aquela última ceia em que o Senhor Jesus, na noite em que ia ser traído, tendo amado até ao extremo os seus que estavam no mundo, ofereceu a Deus Pai o seu Corpo e Sangue sob as espécies do pão e do vinho e deu-os aos apóstolos como alimento, e ordenou-lhes, a eles e aos seus sucessores no sacerdócio, que fizessem a mesma oferta” (Cerimonial dos Bispos, n. 297). O Próprio Missal Romano indica que estes mistérios – a instituição da eucaristia, do sacerdócio e a entrega do novo mandamento – devem ser apresentados na homilia desta celebração. A Eucaristia, sacramento de amor, exige da nossa parte o serviço e a caridade fraterna, por isso o rito do lava-pés.

Na Sexta-feira Santa a Igreja celebra o mistério da crucifixão e morte redentora de Cristo, recorda seu nascimento do lado aberto do crucificado e intercede pelo mundo. “A Igreja, seguindo uma antiquíssima tradição, neste dia não celebra a Eucaristia; a sagrada Comunhão é distribuída aos fiéis só durante a celebração da paixão do Senhor; aos doentes, impossibilitados de participar desta celebração, pode-se levar a Comunhão a qualquer hora do dia” (Carta Circular Paschalis solemnitatis, n. 59). É dia de penitência, observando-se o jejum e a abstinência de carne (Cân. 1251). O jejum pascal da Sexta-feira Santa pode prolongar-se durante o sábado, até à Vigília Pascal (Sacrosanctum Concilium, n. 110). “A celebração da paixão do Senhor deve ser realizada depois do meio-dia, especialmente pelas três horas da tarde” (Carta Circular Paschalis solemnitatis, n. 63). Na liturgia deste dia, o olhar volta-se à paixão do Senhor: proclama-se a Paixão (liturgia da Palavra); invoca-se a Paixão (orações solenes); venera-se a Paixão (adoração da Cruz) e comunga-se da Paixão (comunhão eucarística)..

No Sábado Santo, a Igreja permanece junto ao sepulcro do Senhor, à espera da ressurreição. Neste dia não se celebra a eucaristia. A sagrada comunhão só pode ser dada como viático. Não se celebram os demais sacramentos, exceto Penitência e Unção dos Enfermos (Carta Circular Paschalis solemnitatis, n. 75). Neste dia recorda-se o descanso do Senhor e a sua descida aos infernos (mansão dos mortos, Hades). O Sábado Santo recorda-nos a realidade da morte de Cristo, ele morreu de verdade, experimentou a nossa morte e desceu à região dos mortos para salvar os justos que esperaram a redenção (Cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 633). A luz de Deus, em Cristo, penetra as trevas do abismo da morte, das quais Cristo sai vitorioso na sua ressurreição, tendo nas mãos as chaves da morte e do Hades (Ap 1,18). Neste dia celebra-se somente a Liturgia das Horas. Os exercícios de piedade podem ajudar à oração no Sábado Santo, como a meditação das dores de Maria. Ela, associada ao Senhor Jesus de modo único na sua Paixão junto à cruz, é Senhora das Dores; tendo o Filho morto nos braços, é a Senhora da Piedade; junto ao sepulcro, é a Senhora da Soledade.

O centro do Tríduo Pascal é a Vigília Pascal. “Segundo uma antiquíssima tradição, esta noite é ‘em honra do Senhor’, e a vigília que nela se celebra, comemorando a noite santa em que o Senhor ressuscitou, deve ser considerada como ‘mãe de todas as santas vigílias’. Nesta vigília, de fato, a Igreja permanece à espera da ressurreição do Senhor e celebra-a com os sacramentos da iniciação cristã” (Carta Circular Paschalis solemnitatis, n. 77). A Vigília Pascal é uma das mais ricas celebrações da Igreja, em profundidade, teologia e espiritualidade. Compõe-se de quatro partes: liturgia da luz, liturgia da Palavra, liturgia batismal e liturgia eucarística. Esta Vigília é a primeira celebração do Domingo de Páscoa. É uma noite de especial escuta da Palavra de Deus, proclamada abundantemente, seguindo a história da salvação, desde a Criação, passando pelo sacrifício de Abraão e Êxodo do Egito, até à plena libertação com a ressurreição de Cristo. Entoam-se solenemente o Glória e o Aleluia, omitidos durante a Quaresma. No batismo e na eucaristia, sacramentos pascais, que brotaram do lado de Cristo adormecido na cruz no sangue e água jorrados, os filhos da Igreja nascem e se alimentam, pois a Páscoa de Cristo é a nossa páscoa.

No domingo de Páscoa celebramos o “dia de Cristo Senhor” e repetimos com o salmista: “Este é o dia que o Senhor fez para nós” (Sl 117, 24). Proclamamos ao mundo a alegria da Páscoa e escutamos nas leituras o querigma pascal: Jesus Cristo, crucificado e morto, está vivo, e é o Senhor do tempo e da história. A ressurreição de Cristo, garantia da nossa ressurreição, é a grande verdade do Cristianismo, que jamais poderá ser esquecida, diminuída ou obscurecida. O crucificado é o ressuscitado. Esse dinamismo de passagem da morte à vida, deve realizar-se também em nós, pois se ressuscitamos com Cristo, devemos buscar as coisas do alto (Cl 3,1, segunda leitura da Missa de Páscoa), deixar morrer o homem velho e dar lugar ao homem novo, revestido da graça do Senhor. Os textos poéticos do Precônio Pascal e a Sequência de Páscoa (Victimae Pascalis), como os outros cantos da Quinta e da Sexta-feira Santa, poetizam o Mistério Pascal e conduzem-nos à oração pela via da beleza.

As alegrias da Páscoa prolongam-se durante a Oitava e Cinquentena Pascal. Possamos nós, cristãos, sermos testemunhas dessa alegria, que brota da cruz e da ressurreição de Cristo, razão de nossa esperança, levando esse gáudio puro, sobretudo aos corações feridos e quebrantados, pois somos portadores da grande verdade cristã, que jamais caduca e da qual o homem tem sempre necessidade: Cristo está vivo e caminha conosco, porque ele mesmo é o caminho, a verdade e a vida (Jo 14,6).

Desejo que tenham uma feliz e abençoada Páscoa da ressurreição do Senhor Jesus.

Itabira, 05 de março de 2024.

Dom Marco Aurélio Gubiotti
Bispo Diocesano de Itabira-Coronel Fabriciano
“Pela Graça de Deus” (1Cor 15,10)

 

Confira Mais Artigos de Dom Marco Aurélio Gubiotti