Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

19 de julho de 2024

Dom Marco Aurélio Gubiotti “Pela Graça de Deus” (1 Cor 15,10)
Nasceu no dia 21 de outubro de 1963, em OuroFino/MG, filho de Benedito Gubiotti e Natalina Gubiott.

Cursou filosofia no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, e a teologia no Instituto Teológico SCJ, em Taubaté (SP).

Exerceu o ministério sagrado nas paróquias:
São Caetano em Brasópolis;
Santo Antônio em Jacutinga; Nossa Senhora Aparecida em Tocos do Moji;
São Sebastião em São Sebastião da Bela Vista e Nossa Senhora de Fátima em Santa Rita do Sapucaí.

Queridos irmãos e irmãs, amados diocesanos, A graça de Deus permite-nos iniciar um novo ano e nós queremos iniciá-lo com fé e coragem, sabendo que, em Jesus, Deus está no meio de nós: “Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos”(Mt 28,20). Celebramos a vinda de Jesus no Natal e nos alegramos com a paz que Ele traz à terra, paz ao coração daqueles que o recebem. Alegramo-nos também porque Ele nos convida a construirmos um mundo novo, que é possível pela força do seu poder agindo em nós. Convido-os a celebrar e retribuir a graça de Deus, ao longo deste novo ano, com nosso empenho para juntos vivermos nossa vocação cristã: trabalhar pelo Reino de Deus, como Igreja que somos, em comunhão e missão. Em sua mensagem para o Dia Mundial da Paz deste ano, 1º de janeiro, o papa Francisco reflete sobre “a boa política que está a serviço da paz”. Recorda-nos que a paz é fruto dum grande projeto político, que se baseia na responsabilidade mútua e na interdependência dos seres humanos. Mas é também um desafio que requer ser abraçado dia após dia. Jesus, ao enviar em missão os seus discípulos, disse-lhes: “Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: “A paz esteja nesta casa!E, se lá houver um homem de paz, sobre ele repousará a vossa paz; se não, voltará para vós” (Lc 10, 5-6). Oferecer a paz está no coração da missão dos discípulos de Cristo. E esta oferta é feita a todos os homens e mulheres que, no meio dos dramas e violências da história humana, esperam na paz. A ‘casa’, de que fala Jesus, é cada família, cada comunidade, cada país, cada continente, na sua singularidade e história; antes de mais nada, é cada pessoa, sem distinção nem discriminação alguma. E é também a nossa ‘casa comum’: o planeta onde Deus nos colocou a morar e do qual somos chamados a cuidar com solicitude, recorda-nos o Santo Padre. Quero, no início deste ano e em comunhão com o Santo Padre retomar algumas citações em sua mensagem para o 52º DIA MUNDIAL DA PAZ. Nela, o Papa reflete sobre o desafio da boa política; a Caridade e virtudes humanas para uma política ao serviço dos direitos humanos e da paz; os vícios da política; A boa política promove a participação dos jovens e a confiança no outro; Não à guerra nem à estratégia do medo e apresenta um grande projeto de paz, dizendo que a paz é uma conversão do coração e da alma, sendo fácil reconhecer três dimensões indissociáveis desta paz interior e comunitária: – a paz consigo mesmo, rejeitando a intransigência, a ira e a impaciência e – como aconselhava São Francisco de Sales – cultivando “um pouco de doçura para consigo mesmo”, a fim de oferecer “um pouco de doçura aos outros”; – a paz com o outro: o familiar, o amigo, o estrangeiro, o pobre, o atribulado…, tendo a ousadia do encontro, para ouvir a mensagem que traz consigo; – a paz com a criação, descobrindo a grandeza do dom de Deus e a parte de responsabilidade que compete a cada um de nós, como habitante deste mundo, cidadão e ator do futuro. Iluminados pela fé olhemos para este novo ano com muita esperança. Cultivemos um anseio profundo por aquele que é o “Príncipe da paz” (cfIs 9, 5), Jesus, distribuidor da divina misericórdia e autor da salvação. Sem ele nada poderemos fazer. Com ele, porém, tudo será possível. Com os olhos voltados para Jesus, no colo de Maria, sua Mãe, abertos à verdade e ao amor, adentremos progressivamente no novo ano que Deus nos concede para viver e avancemos com esperança. Animemo-nos mutuamente para que, com alegria e renovada coragem, nos empenhemos na busca da verdade, na defesa do bem comum e na construção de um mundo novo, onde todos poderão viver na santidade e na paz. Nesta perspectiva, desejo dirigir um: apelo à adoção de políticas de cooperação que, em vez de submeter à ditadura de algumas ideologias, sejam respeitadoras dos valores das populações locais e, de maneira nenhuma, lesem o direito de viver com dignidade. Confio estas reflexões, juntamente com os melhores votos para o novo ano, à intercessão de Maria Santíssima, Mãe solícita pelas necessidades da humanidade, para que nos obtenha de seu Filho Jesus, Príncipe da Paz, a satisfação das nossas súplicas e a bênção do nosso compromisso diário por um mundo fraterno e solidário. + Dom Marco Aurélio Gubiotti Bispo Diocesano de Itabira-Coronel Fabriciano “Pela Graça de Deus” (1Cor 15,10)

06 de dezembro de 2018 Palavra do Bispo

Amados irmãos e irmãs,
Diletos diocesanos,

Iniciamos um novo ano litúrgico na Igreja. Com o Tempo do Advento nos preparamos para a celebração do Santo Natal do Senhor. Este tempo aponta para duas importantes dimensões: preparação da segunda vinda de Jesus Cristo, que vai acontecer na parusia, isto é, no fim dos tempos; e a preparação para celebrar a sua primeira vinda, já acontecida, com sua encarnação na história.

Celebrar o Natal significa atualizar, tornar presente o nascimento de Jesus Cristo em nosso tempo. Deus assume nossa condição humana e, pela encarnação do Verbo, nos revela.

É preciso dar-se conta de que o Advento é tempo de preparação para a festa, e ainda não a sua realização. A Liturgia da Palavra deste tempo nos ajuda a fazer a experiência da espera do Senhor que vem armar sua tenda no meio de nós.

Vivamos a mística do Advento, da esperança, da feliz expectativa, da gestação da vida, da manjedoura vazia, mas preparada para acolher o Salvador, o Emanuel, Deus conosco.

Assim percebemos que o ciclo natalino se reveste de um período que se divide em três partes, mas que forma unidade: o da preparação, da festa e do prolongamento da festa, com suas consequências. A novena é típica para o período de preparação para a vinda do Senhor, que vem morar conosco. É o tempo em que preparamos os caminhos do Senhor e, como Igreja, vigiamos e clamamos: “Vem, Senhor Jesus, o mundo precisa de ti”. É a novena de Natal uma excelente oportunidade de evangelização. Rezemos a novena e nos preparemos bem, para celebrarmos com muita alegria o Natal do Senhor.

Olhando para o exemplo de Maria, que acolheu no seu ventre o Verbo do Pai, rezemos:

“Ó Deus, que reacendes em nós a cada ano a alegria da espera da salvação, ajuda-nos a acolher, como Maria, este dom da tua imensa misericórdia para conosco e assim sejamos no mundo instrumentos de vida e de paz para todos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que nasceu para nos salvar, na unidade do Espírito Santo. Amém”.

Desejo a todos um abençoado e santo Natal. Que o nascimento do Menino Jesus renove nossa esperança e nos enche de luz. Que 2019 seja um ano de muita paz,felicidade, abençoado por Deus!

+ Dom Marco Aurélio Gubiotti
Bispo Diocesano de Itabira-Coronel Fabriciano
“Pela Graça de Deus” (1Cor 15,10)

Confira Mais Artigos de Dom Marco Aurélio Gubiotti