Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

19 de maio de 2024

Dom Marco Aurélio Gubiotti “Pela Graça de Deus” (1 Cor 15,10)
Nasceu no dia 21 de outubro de 1963, em OuroFino/MG, filho de Benedito Gubiotti e Natalina Gubiott.

Cursou filosofia no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre, e a teologia no Instituto Teológico SCJ, em Taubaté (SP).

Exerceu o ministério sagrado nas paróquias:
São Caetano em Brasópolis;
Santo Antônio em Jacutinga; Nossa Senhora Aparecida em Tocos do Moji;
São Sebastião em São Sebastião da Bela Vista e Nossa Senhora de Fátima em Santa Rita do Sapucaí.

Páscoa: A grandeza da Vida na beleza do Amor.

05 de abril de 2023 Palavra do Bispo

Queridos irmãos e irmãs, amado povo de Deus!

A semana santa é um tempo de graça que o Senhor nos doa, para abrir as portas do nosso coração, da nossa vida, das nossas paróquias, comunidades, movimentos e pastorais e sair ao encontro dos outros para levar a luz da verdade e a alegria da fé. A lógica da semana santa é a lógica do amor e do dom de si mesmo, que exige deixar de lado as comodidades de uma fé cansada e rotineira, para levar Cristo aos irmãos.

Para nós, viver a Semana Santa é acompanhar Jesus no seu percurso rumo ao calvário, que culmina na sua morte e, por conseguinte, sua ressurreição. É viver o vértice da caminhada de Jesus, que se entregou voluntariamente à morte para corresponder ao amor de Deus Pai, em perfeita união com sua vontade, para demonstrar o seu amor por nós.

O Mistério da Morte e Ressurreição de Cristo nos “batiza” na confiança de Deus. A cruz de Jesus se apresenta como um horror diante de nossas inconsistências, mas, para quem cresce na fé, a cruz é caminho, é via que amadurece. Quem dirige o olhar para o Crucificado é batizado no amor consolador de Deus. “Deixemo-nos surpreender por Jesus para voltar a viver, porque a grandeza da vida não está na riqueza nem no sucesso, mas na descoberta de que somos amados. Esta é a grandeza da vida: descobrir que somos amados. A grandeza da vida está precisamente na beleza do amor. No Crucificado, vemos Deus humilhado, o Onipotente reduzido a um descartado” (Papa Francisco).

A Semana Santa é um tempo de renovação profunda e aproximação dos momentos últimos terrenos de Jesus. Momentos que marcam o coração de quem crê. Acolhamos, com piedade decidida, o mistério da cruz do Senhor. Ele não vai nos tirar nada; ao contrário, nos dará tudo. Dará verdadeiro sentido de vida aos que se unirem ao seu coração, apesar dos inevitáveis sofrimentos da vida.

Renovados pela Páscoa do Senhor temos a missão de torná-la acessível aos irmãos e irmãs que vivem numa realidade marcada pelo pecado e a morte, manifestando com o próprio testemunho a vivência do mandamento do amor, saindo de si ao encontro dos outros, buscando novos caminhos pelo direito e pela justiça, para que aconteçam políticas públicas, promovendo a dignidade e permanecendo junto de quem a vida feriu. “Não fujamos da ressurreição de Jesus; nunca nos demos por mortos, suceda o que suceder” (EG 3).

Irmãos e irmãs, ao celebrarmos a Páscoa do Senhor, alegremo-nos por participarmos de tão profundo e grandioso mistério a nós revelado. A grandeza de Deus está no fato de tornar-se pequeno, fazer-se servo, olhar em nossos olhos, se curvar diante da nossa fraqueza, da nossa pobreza e do nosso sofrimento; assumir nossa condição de pecadores para nos redimir. Como cristãos, nossa missão é anunciar Cristo Vivo e Ressuscitado onde quer que nos encontremos, naquilo que somos e fazemos. Para este anúncio se faz necessário um sair para ir ao encontro. Esta saída missionária exige profunda conversão, pois é um processo pascal que implica vida, morte e ressurreição.

Celebremos a Páscoa compassando-nos no caminho que percorremos juntos, como Povo de Deus. Com espírito sinodal, entrelacemos nossos corações e unifiquemos nossas ações em prol dos menos favorecidos. Cristo que a nós se entrega por alimento em sua páscoa nos pede a saciarmos a fome dos que a têm: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16).

Desejo a todos uma feliz e Santa Páscoa.

 

Dom Marco Aurélio Gubiotti
Bispo Diocesano

Confira Mais Artigos de Dom Marco Aurélio Gubiotti