Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

09 de dezembro de 2023

O Relatório de Síntese: uma Igreja que envolve todos e está próxima das feridas do mundo

30/10/2023 . Igreja

Foi publicado o Relatório de Síntese na conclusão da XVI Assembleia Geral do Sínodo sobre a Sinodalidade. Em vista da segunda sessão em 2024, são oferecidas reflexões e propostas sobre temáticas como o papel das mulheres e dos leigos, o ministério dos bispos, o sacerdócio e o diaconato, a importância dos pobres e migrantes, a missão digital, o ecumenismo e os abusos.

Salvatore Cernuzio – Vatican News

Mulheres e leigos, diaconato, ministério e magistério, paz e meio ambiente, pobres e migrantes, ecumenismo e identidade, novas linguagens e estruturas renovadas, antigas e novas missões (também digitais), ouvir todos e aprofundar – não superficialmente – sobre tudo, mesmo as questões mais “polêmicas”. Há um olhar renovado sobre o mundo e a Igreja e e às suas instâncias, no Relatório de Síntese aprovado e publicado neste sábado (28) pelaXVI Assembleia Geral do Sínodo sobre a Sinodalidade. Após quatro semanas de trabalho, que começaram em 4 de outubro na Sala Paulo VI, o evento eclesial conclui neste sábado (28), no Vaticano, a sua primeira sessão.

Ouça e compartilhe

Cerca de 40 as páginas do documento, fruto do trabalho da assembleia que “se realizou enquanto velhas e novas guerras assolam o mundo, com o drama absurdo de inúmeras vítimas”. “O grito dos pobres, dos que são obrigados a migrar, dos que sofrem violência ou sofrem as consequências devastadoras das mudanças climáticas ressoou entre nós, não só através da mídia, mas também das vozes de muitos, pessoalmente envolvidos com suas famílias e povos nesses trágicos acontecimentos”, diz o documento (Premissa).

A esse desafio e a muitos outros, a Igreja universal tentou oferecer uma resposta nos Círculos Menores e nas intervenções. Tudo foi reunido no Relatório de Síntese, dividido em três partes, que traça o caminho para o trabalho a ser realizado na segunda sessão em 2024.

Ouvir todos, começando pelas vítimas de abusos

Como na Carta ao Povo de Deus, a assembleia sinodal reafirmou “a abertura para ouvir e acompanhar todos, inclusive aqueles que sofreram abusos e ferimentos na Igreja” (1 e). Ao longo do caminho a ser percorrido “rumo à reconciliação e à justiça”, “é preciso abordar as condições estruturais que permitiram tais abusos e fazer gestos concretos de penitência”.

O rosto de uma Igreja sinodal

A sinodalidade é um primeiro passo. Um termo que os próprios participantes do Sínodo admitem ser “desconhecido para muitos membros do Povo de Deus” e “desperta confusão e preocupação em alguns” (1 f), entre aqueles que temem um afastamento da tradição, um rebaixamento da natureza hierárquica da Igreja (1 g), uma perda de poder ou, ao contrário, imobilidade e falta de coragem para mudar. Em vez disso, “sinodal” e “sinodalidade” são termos que “indicam um modo de ser Igreja que articula comunhão, missão e participação”. Portanto, uma maneira de viver a Igreja, valorizando as diferenças e desenvolvendo o envolvimento ativo de todos. Começando pelos presbíteros e bispos: “uma Igreja sinodal não pode prescindir de suas vozes” (1 n), se lê no documento. “Precisamos entender as razões da resistência à sinodalidade por parte de alguns deles”.

Missão

A sinodalidade anda de mãos dadas com a missão, portanto, é necessário que “as comunidades cristãs compartilhem a fraternidade com homens e mulheres de outras religiões, convicções e culturas, evitando, por um lado, o risco da autorreferencialidade e da autopreservação e, por outro, o da perda de identidade” (2 e). Nesse novo “estilo pastoral”, parece importante para muitos tornar “a linguagem litúrgica mais acessível aos fiéis e mais incorporada à diversidade de culturas” (3 l).

Os pobres ao centro

Um amplo espaço no Relatório é dedicado aos pobres, que pedem à Igreja “amor” entendido como “respeito, acolhimento e reconhecimento” (4 a). “Para a Igreja, a opção pelos pobres e descartados é uma categoria teológica antes de ser cultural, sociológica, política ou filosófica” (4 b), reitera o documento, identificando como pobres também os migrantes, os indígenas, as vítimas de violência, de abusos (especialmente mulheres), de racismo e tráfico, pessoas com vícios, minorias, idosos abandonados, trabalhadores explorados (4 c). “Os mais vulneráveis dos vulneráveis, para os quais é necessária uma defesa constante, são as crianças no ventre materno e suas mães”, diz o texto da assembleia, que afirma estar “ciente do grito dos ‘novos pobres’ produzido pelas guerras e pelo terrorismo, também causado por ‘sistemas políticos e econômicos corruptos’”.

Compromisso dos crentes com a política e o bem comum

Nesse sentido, exorta-se um comprometimento da Igreja tanto com a “denúncia pública das injustiças” perpetradas por indivíduos, governos e empresas quanto com o engajamento ativo na política, nas associações, nos sindicatos e nos movimentos populares (4g). Sem descuidar da ação consolidada da Igreja nos campos da educação, da saúde e da assistência social, “sem qualquer discriminação ou exclusão de quem quer que seja” (4 k).

Migrantes

O foco se concentra nos migrantes e refugiados, “muitos dos quais carregam as feridas do desenraizamento, da guerra e da violência”. Eles “se tornam uma fonte de renovação e enriquecimento para as comunidades que os acolhem e uma oportunidade de estabelecer um vínculo direto com Igrejas geograficamente distantes” (5d). Diante de atitudes cada vez mais hostis em relação a eles, o Sínodo convida “a praticar uma acolhida aberta, a acompanhá-los na construção de um novo projeto de vida e a construir uma verdadeira comunhão intercultural entre os povos”. Fundamental nesse sentido é o “respeito às tradições litúrgicas e às práticas religiosas”, bem como à linguagem.

Por exemplo, uma palavra como “missão”, nos contextos em que “a proclamação do Evangelho tem sido associada à colonização e até mesmo ao genocídio”, está carregada de “um doloroso legado histórico” e dificulta a comunhão (5 e). “Evangelizar nesses contextos requer o reconhecimento dos erros cometidos, aprendendo uma nova sensibilidade para essas questões”, afirma o documento.

Combater o racismo e a xenofobia

Pede-se igual empenho e cuidado da Igreja “em educar para uma cultura do diálogo e do encontro, combatendo o racismo e a xenofobia, especialmente nos programas de formação pastoral” (5 p). Também é urgente “identificar os sistemas que criam ou mantêm a injustiça racial dentro da Igreja e combatê-los” (5 q).

Igrejas Orientais

Ainda sobre o tema da migração, o olhar vai para a Europa Oriental e os recentes conflitos que causaram o fluxo de numerosos fiéis do Oriente católico para territórios de maioria latina. “É necessário”, diz o pedido dos padres, “que as Igrejas locais de rito latino, em nome da sinodalidade, ajudem os fiéis orientais que emigraram a preservar a sua identidade”, sem passar por “processos de assimilação” (6c).

No caminho da unidade dos cristãos

No que diz respeito ao ecumenismo, fala-se de uma “renovação espiritual” que requer “processos de arrependimento” e “cura da memória” (7c); em seguida, cita a expressão do Papa de um “ecumenismo do sangue”, ou seja, “cristãos de diferentes pertenças que juntos dão a vida pela fé em Cristo” (7d) e se relança a proposta de um martirológio ecumênico (7o). O Relatório também reitera que a “colaboração entre todos os cristãos” é um recurso “para curar a cultura do ódio, da divisão e da guerra que coloca grupos, povos e nações uns contra os outros”. Ele não esquece a questão dos chamados casamentos mistos, que são realidades nas quais “podemos evangelizar uns aos outros” (7 f).

Leigos e famílias (PARTE II)

“Os leigos e as leigas, os consagrados e as consagradas, e os ministros ordenados têm igual dignidade” (8 b): esse pressuposto é reiterado com força no Relatório de Síntese, que lembra como os fiéis leigos “estão cada vez mais presentes e ativos também no serviço dentro das comunidades cristãs” (8 e). Educadores na fé, teólogos, formadores, animadores espirituais e catequistas, ativos na salvaguarda e na administração: sua contribuição é “indispensável para a missão da Igreja” (8 e). Os diferentes carismas devem, portanto, ser “evidenciados, reconhecidos e plenamente valorizados” (8 f), e não menosprezados, apenas suprindo a falta de sacerdotes, ou pior, ignorados, subutilizados e “clericalizados” (8 f).

Mulheres

Forte é o compromisso pedido à Igreja, então, para o acompanhamento e a compreensão das mulheres em todos os aspectos de suas vidas, incluindo os pastorais e sacramentais. As mulheres, diz o documento, “exigem justiça em uma sociedade marcada pela violência sexual e desigualdades econômicas, e pela tendência de tratá-las como objetos” (9 c). “O acompanhamento e a forte promoção das mulheres andam de mãos dadas”.

Clericalismo e machismo

Muitas mulheres presentes no Sínodo “expressaram profunda gratidão pelo trabalho dos padres e bispos, mas também falaram de uma Igreja que fere” (9f). “O clericalismo, o machismo e o uso inadequado da autoridade continuam a marcar a face da Igreja e a prejudicar a comunhão”. É necessária uma “profunda conversão espiritual e mudanças estruturais”, bem como “um diálogo entre homens e mulheres sem subordinação, exclusão ou competição” (9 h).

Diaconato feminino

As opiniões variam sobre o acesso das mulheres ao diaconato (9 j): para alguns, é um passo “inaceitável”, “em descontinuidade com a Tradição”; para outros, restauraria uma prática da Igreja primitiva; outros ainda o veem como “uma resposta apropriada e necessária aos sinais dos tempos” para “renovar a vitalidade e a energia da Igreja”. Há ainda aqueles que expressam “o temor de que esse pedido seja a expressão de uma perigosa confusão antropológica, aceitando que a Igreja se alinhe com o espírito dos tempos”.

Os padres e as mães do Sínodo pedem para continuar “a pesquisa teológica e pastoral sobre o acesso das mulheres ao diaconato”, usando os resultados das comissões especialmente criadas pelo Papa e a pesquisa teológica, histórica e exegética já realizada: “se possível, os resultados devem ser apresentados na próxima sessão da Assembleia” (9 n).

Discriminação e abusos

Enquanto isso, a urgência de “garantir que as mulheres participem dos processos de tomada de decisão e assumam papéis de responsabilidade no cuidado pastoral e no ministério” é reiterada, e o Direito Canônico deve ser adaptado de acordo (9m). Os casos de discriminação no emprego e remuneração injusta também devem ser abordados, inclusive na Igreja, onde “as mulheres consagradas são frequentemente consideradas mão de obra barata” (9 o). Em vez disso, o acesso das mulheres à educação teológica e aos programas de formação deve ser ampliado (9 p), incluindo a promoção do uso de linguagem inclusiva em textos litúrgicos e documentos da Igreja (9 q).

Vida Consagrada

Observando a riqueza e a variedade das diferentes formas de Vida Consagrada, se adverte contra a “persistência de um estilo autoritário, que não abre espaço para o diálogo fraterno”. É aqui que se geram casos de abusos de vários tipos contra pessoas consagradas e membros de agregações leigas, especialmente mulheres. O problema “requer intervenções decisivas e apropriadas” (10 d).

Diáconos e formação

A gratidão é então expressa aos diáconos “chamados a viver seu serviço ao Povo de Deus em uma atitude de proximidade com as pessoas, de acolhimento e de escuta de todos” (11 b). O perigo é sempre o clericalismo, uma “deformação do sacerdócio” a ser combatida “desde as primeiras etapas da formação”, graças a “um contato vivo” com o povo e com os necessitados (11 c). Nessa linha, pede-se também que os seminários ou outros cursos de formação dos candidatos ao ministério estejam ligados à vida cotidiana das comunidades (11 e), a fim de evitar “os riscos do formalismo e da ideologia que levam a atitudes autoritárias e impedem o verdadeiro crescimento vocacional”.

Celibato

Foi mencionado o tema do celibato, que recebeu diferentes avaliações durante a assembleia. “Todos”, pode-se ser no Relatório, “apreciam seu valor profético e o testemunho de conformação a Cristo; alguns se perguntam se sua adequação teológica com o ministério sacerdotal deve necessariamente se traduzir na Igreja latina em uma obrigação disciplinar, especialmente onde os contextos eclesiais e culturais o tornam mais difícil. Esse não é um tema novo, que precisa ser aprofundado”.

Bispos

Há uma ampla reflexão sobre a figura e o papel do bispo, que é chamado a ser “um exemplo de sinodalidade” (12 c) ao exercer a “corresponsabilidade”, entendida como o envolvimento de outros atores dentro da diocese e do clero, de modo a aliviar a “sobrecarga de compromissos administrativos e jurídicos” que muitas vezes atrapalham sua missão (12 e). Juntamente com isso, o bispo “nem sempre encontra apoio humano e espiritual” e “a experiência dolorosa de certa solidão não é incomum” (12 e).

Casos de abusos

Sobre a questão dos abusos, que “coloca muitos bispos na dificuldade de conciliar o papel de pai e o de juiz” (12 i), sugere-se “considerar a possibilidade de confiar a tarefa judicial a outro órgão, a ser especificado canonicamente” (12 i).

Formação (PARTE III)

Em seguida, pede-se uma “abordagem sinodal” para a formação, recomendando, antes de tudo, “aprofundar o tema da educação afetiva e sexual, acompanhar os jovens em seu caminho de crescimento e apoiar o amadurecimento afetivo daqueles que são chamados ao celibato e à castidade consagrada” (14 g). Pede-se que aprofunde o diálogo com as ciências humanas (14 h) de modo a desenvolver “questões que são controversas até mesmo dentro da Igreja” (15 b).

Ou seja, questões “relacionadas à identidade de gênero e à orientação sexual, ao fim da vida, a situações matrimoniais difíceis e a problemas éticos relacionados à inteligência artificial”. Para a Igreja, essas “colocam questões novas” (15 g). “É importante dedicar o tempo necessário para essa reflexão e investir nela as melhores energias, sem ceder a julgamentos simplificadores que ferem as pessoas e o Corpo da Igreja”, lembrando que “muitas indicações já são oferecidas pelo Magistério e estão esperando para serem traduzidas em iniciativas pastorais apropriadas”.

A escuta

Com a mesma preocupação, o convite é renovado para uma escuta “autêntica” das “pessoas que se sentem marginalizadas ou excluídas da Igreja, por causa de sua situação conjugal, identidade e sexualidade” e que “pedem para serem ouvidas e acompanhadas, e que sua dignidade seja defendida”. Seu desejo é “voltar para ‘casa’”, na Igreja, e “ser ouvido e respeitado, sem medo de se sentir julgado”, afirma a Assembleia, reafirmando que “os cristãos não podem deixar de respeitar a dignidade de qualquer pessoa” (16 h).

Poligamia

À luz das experiências relatadas na assembleia por alguns membros do Sínodo da África, o SECAM (Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagascar) é incentivado a promover “um discernimento teológico e pastoral” sobre a questão da poligamia e “o acompanhamento de pessoas em uniões poligâmicas que estão chegando à fé” (16 q)

Cultura digital

Por fim, o Relatório de Síntese fala sobre o ambiente digital. O incentivo é para “alcançar a cultura atual em todos os espaços onde as pessoas buscam significado e amor, incluindo seus celulares e tablets” (17 c), tendo em mente que a Internet “também pode causar danos e lesões, por exemplo, por meio de bullying, desinformação, exploração sexual e dependência”. É urgente, portanto, “refletir sobre como a comunidade cristã pode apoiar as famílias para garantir que o espaço on-line não seja apenas seguro, mas também espiritualmente vivificante” (17 f).

Vatican News