Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

26 de novembro de 2020

Retiro dos Surdos

03/03/2020 . Notícias da Diocese

No dia vinte e nove de fevereiro e primeiro de março de dois mil e vinte, foi realizado, na Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano, na Associação Regional de Promoção e Ação Social (ARPAS), em João Monlevade, o retiro quaresmal destinado à comunidade surda. Estiveram presentes surdos e agentes de pastorais da diocese de Itabira e também da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Dom Marco Aurélio Gubiotti também esteve presente no encontro e proferiu mensagens de entusiasmo aos surdos e reafirmou o empenho da Igreja na construção de uma sociedade mais inclusiva, que contemple a realidade dos surdos em seu ato de fé.

Padre Wagner Douglas, assessor arquidiocesano da Pastoral do Surdo em Belo Horizonte, juntamente com os agentes de pastoral do Curato Nossa Senhora do Silêncio, auxiliaram no encontro que foi realizado pela Pastoral do Surdo da Diocese de Itabira-Cel.Fabriciano. O retiro teve um grande número de participantes surdos, em maior número, e alguns intérpretes dos três regionais da Diocese.

Os palestrantes foram:

  • Padre Wagner Douglas – assessor do Regional Leste 2 da Pastoral do Surdo.
  • Bruna Aguiar (Surda) – Coordenadora da Pastoral do Surdo do Regional Leste 2.
  • Sônia Marta – Vice – coordenadora da equipe de intérpretes da Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belo Horizonte; e coordenadora pedagógica do núcleo Libras.
  • Marcelo – Vice coordenador nacional de intérpretes.
  • Crislaine (Surda) – Coordenadora da pastoral do Surdo de Belo Horizonte.
  • Maria Barbosa (Surda) – Vice – coordenadora de Catequese na Pastoral do Surdo de Belo Horizonte.
  • Ivone (Surda) – Vice – coordenadora Pastoral do Surdo Belo Horizonte.
  • Éricka Macedo (Surda) – Catequista e Ministra da Eucaristia.

Pela primeira vez, em nossa Diocese, os surdos tiveram a oportunidade de presenciar e rezar uma Missa em Libras. O objetivo do retiro foi de promover a cultura surda e proporcioná-los uma oportunidade de vivenciar mais intensamente o período da Quaresma. As palestras todas foram voltadas para espiritualidade do surdo diante de sua imersão pastoral na comunidade de fé.

Dito isto, é possível fazermos uma breve reflexão da realidade da comunidade dos surdos. Já imaginou o seu cotidiano sem a escuta dos barulhos mais corriqueiros, como o barulho de um rádio, sem a escuta do celular, sem a escuta de uma televisão, sem a escuta de um chamamento? Então, assim é o dia a dia dos surdos. Engana-se quem pensa que eles não têm capacidade comunicativa. A comunicação de um surdo se dá por meio da Línguas de sinais. Existem outros métodos, pois a cultura surda possui uma diversidade em seu modo de proceder.

Quando se trata de comunidade surda, cultura surda, temos que ter em mente o grande desafio que existe de assimilação, de comunicação, de aceitação e de promoção do protagonismo surdo na sociedade, seja por parte dos ouvintes em relação aos surdos, seja por parte dos surdos em relação a eles mesmos.

Hoje é comum ver surdos nas lojas, nos hospitais, nas Igrejas, nas academias, mas nem sempre foi assim. Quando recorremos à história, percebemos o quanto os surdos foram prejudicados.

Paula Guedes Bigogno, em seu artigo: “Cultura, Comunidade e Identidade Surda: O que querem os surdos?”, afirma que

Na China Antiga, eles eram jogados ao mar; em Esparta eram jogados do alto de rochedos, em Atenas, eram abandonados; entre os gauleses eram sacrificados em ritual. Na Grécia e em Roma, eram tidos como retardados, incapazes de gerenciar seus atos e indignos da condição humana. Em 483-482 a.C., o Código Justiniano passou a distinguir graus de deficiência auditiva, ressaltando que o nascido surdo estaria privado de desenvolvimento moral e intelectual. (BIGOGNO apud ARRIENS, p. 2)

Diante de tamanho déficit, historicamente, com os surdos, hoje, é necessário dar passos significativos para a promoção da cultura surda, principalmente no âmbito da fé. Frente a essa realidade, a Diocese de Itabira não tem medido esforços para promover a Pastoral do Surdo. O retiro foi oferecido aos surdos gratuitamente a fim de que todos tivessem a oportunidade de participar. As sementes estão sendo lançadas. Foram momentos marcantes que impulsionaram os surdos a assumir sua própria história e o seu lugar na Igreja, na pastoral do Surdo.

Peçamos à Virgem Maria que interceda por todos nós a fim de seguirmos fielmente à Jesus Cristo e à Igreja.