Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

21 de maio de 2024

Abertura da Campanha da Fraternidade mobiliza 23 Paróquias na Região Pastoral 3

02/03/2020 .

A Campanha da Fraternidade 2020 foi lançada oficialmente neste domingo, 1º de março, em nossa Diocese. A abertura da Campanha, cujo tema é “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele (Lc 10, 33-34)”, ocorreu nas três regionais da Diocese, com missas em Itabira, João Monlevade e Ipatinga.

Na Região Pastoral 3, a abertura ocorreu na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no bairro Iguaçu, em Ipatinga. A concentração dos fiéis começou às 8h, no Espaço Católico Cristão (ECC), com a animação do diácono Elias Pereira da Silva, da Paróquia Nª Sª Aparecida. Um café solidário contribuiu para integrar centenas de fiéis das 23 paróquias da Região Pastoral 3 que participaram desse abertura.

A missa começou às 10h, celebrada pelo pároco da Paróquia Nª Sª Aparecida, Pe. Aloísio Vieira, que também é Vigário-Geral da Diocese, e concelebrada por padres e diáconos de outras paróquias da Região Pastoral 3, bem como pelo bispo emérito Dom Odilon Guimarães Moreira.

Consagrados da Comunidade Católica Cordeiro de Deus, de Ipatinga, também marcaram presença no evento, bem como uma equipe do Teatro da Paixão de Cristo, que está divulgando a tradicional encenação que ocorre todos os anos no Parque Ipanema, em Ipatinga, na Sexta-Feira Santa.

Em entrevista à Pastoral da Comunicação (Pascom), o Pe. Aloísio Vieira exortou os católicos à prática da fraternidade. “A intenção da Diocese e da Igreja no Brasil com a Campanha da Fraternidade é chamar a atenção dos nossos fiéis e de toda a sociedade para a necessidade da fraternidade, da partilha, do relacionamento humano e reforçar os laços sociais que nos fazem viver nossa fé e construir o reino de Deus”, enfatiza.

Conforme o sacerdote, este é um momento particular para darmos ênfase à prática do que propõe a Campanha. “O tempo da Quaresma é propício porque a tônica desse tempo é a conversão, a mudança de vida. E a Campanha da Fraternidade vem chamar a atenção para a necessidade dessa mudança, saindo do individualismo, do egoísmo, saindo da ganância desmedida para a vivência da fraternidade e da ajuda mútua”, ressalta.

Em sua homilia, Pe. Aloísio chamou a atenção para que os católicos também procurem servir em suas comunidades. “Todos têm direitos, mas também têm deveres. Muitos querem, por exemplo, que os filhos tenham catequese, querem isso, querem aquilo. Querem ser servidos, mas muitos não se prontificam a servir. Devemos, então, sermos mais solidários e também nos colocarmos à disposição”, adverte.

Socorro aos irmãos que sofrem

O Pe. Pascifal José do Nascimento, Vigário Episcopal da Região Pastoral 3 da Diocese e pároco na Paróquia São José de Acesita, em Timóteo, também participou do evento. Em entrevista à Pascom, ele destacou que essa abertura da Campanha da Fraternidade “é um momento de encontro, de partilha, de vivência espiritual, vivência de fé, e ao mesmo tempo de desafios porque a Campanha nos traz justamente essa grande temática que é a vida, que é o principal dom que Deus nos dá e devemos sempre lutar para que ela seja cada vez melhor”.

Na concepção de Pe. Pascifal, os cristãos devem enxergar essa solidariedade em todos os âmbitos, indo além de religião, tendo em vista as inúmeras pessoas que sofrem em razão de injustiças sociais. “Hoje nós não podemos mais fechar os olhos para outras pessoas que não são de nossa religião. Quando o judeu, passando pela estrada, vê um homem caído e que não era da sua religião, tem compaixão e cuida daquele homem. Este é um exemplo para que todos nós, católicos ou não, tenhamos compaixão com o próximo. Hoje nós temos, por exemplo, no Brasil mais de 11 milhões de pessoas desempregadas. Temos uma fila enorme de pessoas com câncer esperando um exame ou um tratamento de qualidade. Temos pessoas com outras doenças crônicas e que não têm tido a assistência do poder público. Então ser solidário com essas pessoas é também exigir dos poderes públicos que cuidem da vida das pessoas, uma vez que toda a sociedade já contribuiu para que possam ser bem assistidas nesses momentos também”, ressalta.

Pastoral da Comunicação
Texto: Bruno Jackson
Fotos: Ademir Lourenço, Ernesto Gomes e Alvismar Gonçalves

Veja Também