Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

17 de abril de 2024

A morada dos mortos – celebração de Finados

03/11/2021 . Notícias da Diocese

“Na casa de meu Pai há muitas moradas.” (Jo 14,2)

Observando os túmulos e lembrando dos que não caminham fisicamente conosco, o versículo acima me vem num repente. É como se do “Cemitério da Paz” uma voz sutil sussurrasse: “estamos em casa”.

Caminhando por entre os túmulos, parando para ler algum epitáfio, dou-me conta de uma saudade-conforto. Aproximo-me do túmulo do meu avô e logo me vem o retrato de muitas férias numa infância rodeada de mato, cheiro de terra molhada, esterco, vaquinhas no curral, muitos pés de jabuticaba e os queijos numa tábua suspensa, ligeiramente inclinada – de onde escorria o soro e, gotejante, caía no balde sobre a mesa da cozinha.

Fecho os olhos e o cheiro dos grãos de café sendo torrados me fazem salivar. A algumas “quadras” de onde está o túmulo do meu avô, encontra-se também o da minha avó. Era ela quem torrava e moía os grãos. O cheiro de café coado avançava “quilômetros” pelo quintal e eu criava asas, voava para a cozinha e estacionava do lado do fogão de lenha.

Queijo fresco e “café passado na hora” têm nome: Salvelino e Zizinha!

Ângela Duarte no Cemitério da Paz, colocando flores sobre o túmulo do pai

Ao lado de outro túmulo uma senhora ajeita com cuidado o delicado arranjo de flores. Aproximo-me, com aquele sentimento de profundo respeito e já com um pedido de desculpas por invadir o momento…, e pergunto se poderia fazer um registro (foto). Conversamos por alguns minutos. No desenrolar da conversa fico sabendo que ali foram enterrados seu avô, pai, padrinho/tio…

Todos os anos, Ângela Duarte vai ao cemitério: “Acho muito importante lembrar dos mortos!” E declara: “sou muito católica”. Um segundo depois, arremata com uma lembrança: “Meu pai era tudo. Não era como esses pais severos. Papai era amigo, irmão. Morreu novo, com 62 anos. Minha mãe está viva, com 95 anos; muito lúcida e ativa. Vai chegar aos 100”.

Saio dali com o coração leve, transbordando ternura por uma desconhecida e por seus mortos. Penso que deveria ser assim pra todo mundo. Mas o caminho para encontrar serenidade e resgatar memórias entre os mortos pode ser longo…

Finados

Em outros tempos, os cemitérios estariam lotados e floridos. E não apenas a pandemia contribuiu para boicotar este rito anual. Já faz um tempo que a tradição de celebrar os mortos vai perdendo adeptos – muitos deles, inclusive, estão hoje nos túmulos.

Mas os verdadeiros cristãos católicos celebram. Sabem da importância deste dia que não é para ser de tristeza, ao contrário do que pensam muitos. Finados alimenta a nossa fé, fortalece a nossa esperança e a nossa certeza na Vida Eterna. E uma vez fortalecidos por esta certeza, somos imbuídos do desejo de sermos merecedores de uma morada no Reino.

Este ano, quatro missas foram celebradas no Cemitério da Paz, em Itabira. Três na parte da manhã e a última, às 15h, presidida pelo Padre Paulo Marcony, pároco da Paróquia Nossa Senhora da Saúde.

Padre Paulo Marcony presidindo a Santa Missa no Cemitério da Paz

Uma boa dezena de fiéis ocuparam todo o espaço da tenda – que foi montada no estacionamento externo do cemitério -, e ainda tiveram que se ajeitar nos espaços adjacentes.

A infraestrutura para a celebração da Santa Missa foi organizada pela Paróquia Nossa Senhora da Penha, coordenada por seu pároco, Padre Ueliton Neves da Silva. Na celebração presidida pelo Padre Paulo Marcony, a liturgia, coral e ministério da comunhão contaram com nossos irmãos e irmãs da Paróquia Nossa Senhora da Saúde.

Na homilia, o Padre Paulo destacou: “A nossa vida não é só para este mundo. Celebrar finados é ter essa esperança depositada em nosso coração, (…) chegar à morada eterna”.

Fiéis na Celebração Eucarística das 15h no Cemitério da Paz

Durante o dia, nas três comunidades paroquias, foram celebradas a Santa Missa da Comemoração dos Fiéis Defuntos. A primeira na Igreja Nossa Senhora de Fátima, na Vila Amélia, às 7h30. Às 17h, na Igreja Nossa Senhora da Conceição. Na Igreja Matriz Nossa Senhora da Saúde, foram duas celebrações, às 10h e às 19h.

Também na homilia proferida na Matriz da Saúde, Padre Paulo lembrou os mais de 600 mil mortos vítimas da Covid-19. O luto sofrido de quem não pôde se despedir dos entes queridos no momento mais grave da pandemia. Apesar da dor, o padre reforçou: “É difícil lidar com a ausência? Fortaleça a sua fé! Em cada missa da qual participamos já estamos participando da ressurreição. Se permanecemos unidos a Cristo aqui, assim também permaneceremos na vida eterna. Nele está a fé que não decepciona!”

A morada dos mortos

Há quem observe os túmulos pensando nos corpos enterrados, como se ali fosse uma casa pouco confortável.

“Com o suor de teu rosto comerás teu pão até que retornes ao solo, pois dele foste tirado. Pois tu és pó e ao pó tornarás.” (Gn 3,19)

As palavras de Deus se cumprem sempre: ao pó nosso corpo retorna. No entanto, graças ao Cordeiro Perfeito fomos resgatados da morte. Nas palavras de Cristo podemos confiar totalmente: “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vos teria dito, pois vou preparar-vos um lugar.”

A nossa verdadeira morada é o Reino do Pai!

(Observando os túmulos… penso que eles podem ser lindos baús de memórias. E com a graça de Deus, de boas memórias!).

Liliene Dante

Outras fotos das celebrações eucarísticas no Cemitério da Paz e nas comunidades paroquiais estão disponíveis na página da Paróquia Nossa Senhora da Saúde no Facebook. Clique aqui 

Texto e fotos: Paróquia Nossa Senhora da Saúde
Imagem capa: Cemitério da Paz em Itabira/MG