Palavra do Bispo

Mês da Bíblia: Para que nele nossos povos tenham vida

Queridos irmãos e irmãs,

Seguindo o ano pastoral na caminhada missionária e evangelizadora da Igreja, iniciamos o mês da Bíblia. Este ano somos convidados a refletirmos o tema “Para que nele nossos povos tenham vida” (Sb1,1-6,21) e lema “A sabedoria é um espírito amigo do ser humano”.

A Bíblia, coleção de livros, escrita em hebraico, aramaico e grego está organizada em dois Testamentos, Antigo e Novo. Foi escrita à mão e em diversos materiais, como cerâmica, papiro e pergaminho. Está organizada em 73 livros, sendo 46 do Antigo e 27 do Novo Testamento. Trata-se de um livro que consiste no fato de Deus mesmo se dar a conhecer no diálogo que deseja ter conosco.

A Bíblia é a Palavra de Deus, onde Ele mesmo é o Autor, mas foi escrita por pessoas humanas. Não se pode pensar que Deus tenha aparecido aos autores sagrados (hagiógrafos) e ditado o texto. Ao contrário, a Bíblia resultou da vida do povo de Deus. Os escritores sagrados registraram suas experiências de fé e de vida, inspiradas por Deus. Antes desses livros serem registrados (Tradição escrita) – tais experiências eram passadas oralmente de geração em geração – (Tradição oral).

Deus, ao se revelar, assumiu a condição tanto de “sujeito da revelação”, como de “objeto da revelação”. No primeiro caso, Deus foi quem tomou a iniciativa de se revelar e de se manifestar de forma acessível e ao alcance das capacidades com as quais dotou o ser humano. No segundo caso, Deus tornou-se o conteúdo a ser experimentado, buscado e compreendido pelo ser humano, capaz de perceber e de adentrar no seu mistério, para reconhecê-lo como seu Criador. Apesar disso, a revelação não esgota o mistério de Deus. O que Deus revelou ao ser humano é o necessário para que ele realize a sua vontade e descubra o sentido da sua vida, da sua existência e do seu fim último: ser partícipe da sua íntima comunhão de amor (cf. 2Pd 1,4).

A Sagrada Escritura, enquanto Palavra de Deus revelada e inspirada, foi escrita sob a ação do Espírito Santo, como afirma a Dei Verbum n.11:

As verdades reveladas por Deus, que se encontram contidas e expressas na Sagrada Escritura, foram escritas por inspiração do Espírito Santo. Com efeito, a Santa Mãe Igreja, por fé apostólica, considera como sagrados e canônicos os livros inteiros tanto do Antigo como do Novo Testamento, com todas as suas partes, porque, tendo sido escritos por inspiração do Espírito Santo (cf. Jo 20,31; 2Tm 3,16; 2Pd 1,19-21; 3,15-16), têm Deus por autor e como tais foram confiados à própria Igreja.

Na Sagrada Escritura encontramos a revelação de Deus, mistério de amor que se comunica a si mesmo por meio do dom da sua Palavra. Esta Palavra, que permanece eternamente, entrou no tempo e no espaço. Deus pronunciou a sua Palavra eterna de modo humano; o seu Verbo “fez-se carne” (Jo 1, 14). Esta é a boa nova. Este é o anúncio que atravessa os séculos, tendo chegado até aos nossos dias, pois o Verbo, estando desde o princípio junto de Deus é Deus e revela-nos o próprio Deus no diálogo de amor entre as Pessoas divinas e convida-nos a participar nele. Neste grande mistério de amor, Jesus manifesta-se como a Palavra da Nova e Eterna Aliança.

Que a leitura e o estudo do Livro da Sabedoria favoreçam um autêntico encontro com a Palavra de Deus, capaz de nos iluminar na busca da verdade e da justiça.

 

+ Dom Marco Aurélio Gubiotti
Bispo Diocesano de Itabira-Coronel Fabriciano
“Pela Graça de Deus” (1Cor 15,10)

Dom Marco Aurélio

É o atual Bispo da Diocese, sua ordenação episcopal aconteceu no dia 26 de maio de 2013. Foi nomeado Bispo da Diocese por sua Santidade Bento XVI, hoje Papa Emérito, no dia 21 de fevereiro de 2013, tomando posse no mesmo ano, na Festa da Diocese, em Itabira - MG.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário