Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

29 de novembro de 2020

Paróquia Nossa Senhora das Oliveiras

A igreja Matriz de Nossa Senhora das Oliveiras foi construída com adobe e madeira, material utilizado na maioria das construções mineiras durante o século XVIII. A freguesia do Itambé foi criada em 1841 depois de ser desmembrada do Serro, instituída canonicamente em 1842, extinta em 1846 e voltando suas atividades em 1859. A paroquia foi transferida para Santa Maria de Itabira ficando vinculada a mesma até 1962, quando Itambé do Mato Dentro tornou-se município. Devido ao êxodo rural a mesma foi extinta no ano de 1978, sendo restituída apenas em 2001. O templo atual, que ao longo de sua história passou por várias alterações, vem praticamente a ser a terceira construção a contar da capela primitiva, feita no mesmo local. No decorrer do século XX, diversas intervenções foram realizadas na igreja. Nos anos 1969/1970, estando em um estado lastimável de degradação, foi proposto até sua demolição e, mesmo sem aprovação popular, a paroquia optou pela reconstrução total do edifício, preservando apenas os retábulos mor e colaterais, forro e sino. Na década de 1980, o piso foi substituído por cerâmica. Em 2003 houve alterações nas instalações elétricas descaracterizando, principalmente, o retábulo-mor. O tombamento do conjunto de retábulos da Igreja Matriz de Nossa Senhora das Oliveiras aconteceu no dia 5 de março de 2004 pelo prefeito de Itambé do Mato Dentro. No ano de 2016 em conjunto com a Advenit construiu-se um salão paroquial juntamente com salas de catequese. No ano 2017 começou a reforma no forró, já no ano de 2018 reformou-se os altares laterais e o telhado da matriz. No ano de 2019 em um convenio juntamente a prefeitura foi restaurado o altar mor, e com a ajuda da comunidade o piso foi totalmente reformado e trocado por granito.

HISTORIA DO DESCOBRIMENTO DE NOSSA SENHORA DAS OLIVEIRAS

Quando S.Tiago Apóstolo, 42 ou 46 anos após a  Morte do Mestre, Jesus Cristo, veio até a península propagar a sua doutrina,desembarcou num dos portos da Galisa.

    Essa província naquele tempo, vinha até as margens do Rio Douro. S. Tiago deve ter desembarcado num dos portos minhotos porque se dirigiu diretamente a Braga. Nesta cidade juntou nove discípulos, todos minhotos a quem deu instruções e indicou vários lugares para que fossem espalhar a doutrina de Deus. Ele, S. Tiago, partiu para Saragoça, na Hespanha, mas antes erigiu em Braga um altar onde colocou uma imagem de Nossa Senhora e sagrou o primeiro bispo primaz, São Pedro de Rates, um herege que veio com ele e por ele é convertido à Fé Cristã.

    Em Saragoça levantou novo altar à Virgem, a que chamou Nossa Senhora do Pilar. E, regressando a Portugal, passou por Guimarães, onde encontrou um templo profano dedicado à deusa Ceres. Destruiu os ídolos desse templo, purificou-o colocando lá uma imagem da Virgem a que deu o nome de Santa Maria. Todas estas imagens foram trazidas por ele do Oriente e foi perante esta que, de Guimarães que batizou S.Torquarto. Esse Templo por ele dedicado à Santa Maria, foi depois, pelo povo dedicado ao próprio S. Tiago, e mais tarde, muito mais tarde à Nossa Senhora de Guimarães, que foi o nome que tomou a imagem por ele lá colocada.

    Essa imagem, ali se conservou até o ano de 417, ano em que os álamos, os suevos e outros povos bárbaros invadiram a península, destruindo tudo quanto dissesse repeito ao cristianismo e, para que essa não fosse destruída, o então arcebispo de Braga, D. Pancrácio, ordenou que a escondessem, escolhendo para isso um local ali perto, chamado Monte Latito, que hoje tem dois nomes, o de monte ou montanha de Santa Maria e do Largo, nome este derivado de Latito. No tempo do Conde D. Henrique, era essa Nossa Senhora de Guimarães, a Virgem de maior devoção entre o Douro e o Minho, ou seja, em todo o condado Portucalense e terras da Galisa, de tão grande devoção, que a Ela se deve o não ter sucumbido pelo menos decaído em muito a cidade de Guimarães, quando D. Afonso Henriques mudou a capital do País para Coimbra. A influência de romeiros vindos de toda parte, manteve de pé a importância da antiga Capital. Nossa Senhora da Oliveira, ou melhor N. Senhora de Guimarães, começou a ser venerada como Nossa Senhora da Oliveira, no reinado de Afonso IV. É curiosa a lenda que deu a causa da mudança do nome.

    Quando este rei ganhou a batalha do Salado, tinha vindo antes a Guimarães implorar a proteção da Virgem e depois da vitória, em agradecimento, mandou erigir-lhe um padrão ou cruzeiro em frente à Igreja onde estão sob a cúpula de abóboda de pedra, Jesus crucificado e uma imagem de Nossa Senhora chamada de Vitória. Diz-se também que fora um devoto da Virgem que mandara vir da Normandia este cruzeiro. Ou de uma forma ou de outra, o que importa é o seguinte: quando foi inaugurado, organizou-se uma procissão incorporando-se nela o andor de Nossa Senhora.

    Ao passar diante do padrão parou a procissão ficando a Virgem de frente voltada para o mesmo, e todos viram com assombro, uma oliveira seca desde há muito ali estava, começar a reverdecer, enchendo-se de folhas e de frutos. Foi este fato atribuído a um milagre de Nossa Senhora e desde este dia (08 de setembro de 1342, Natividade de Nossa Senhora) é que existe Nossa Senhora da Oliveira, devido a este milagre. A imagem é a mesma trazida por S. Tiago Apóstolo há quase dois mil anos.

    O templo atual, ao lado da Colegiada que fundou Afonso Henriques, foi reconstruído por D. João I porque também esse rei atribuiu à Nossa Senhora da Oliveira a sua grande vitória na batalha da Aljubarrota. Era tal a devoção desse rei por essa Virgem que, terminada a batalha foi a pé, de Aljubarrota à Guimarães, ajoelhar-se a seus pés e fazendo-lhe uma oração muito sentida, da qual constam as seguintes palavras: “Senhora, eu confesso e quero que todos saibam que, por Vossa virtude somente, venci esta batalha.” Colocou depois as armas sobre o altar e disse: “Vós, Senhora, m’as destes, Vós as tomai e guardai”.

    Depois disso, D. João I nunca entrava num empreendimento sem pedir a proteção de Nossa Senhora da Oliveira. Ia antes a Guimarães, colocava a sua armadura sobre o altar; orava por algum tempo e pedia licença para se retirar. E quando regressava, vitorioso, fosse do ponto que fosse, longe ou perto, ao pisar terra portuguesa, apeava-se do cavalo e partia a pé, até Guimarães, a ajoelhar-se perante Nossa Senhora da Oliveira. Foi assim de Castela de Tuí e até no regresso da conquista de Ceuta. E ainda de Vale de La Mulla (180Km)”. 

 

Administrador Paroquial

Pe. Paulo Marcony Duarte Simões

Vigário Paroquial

Pe. Sérgio Henrique Gonçalves

Telefone

(31) 3836-5218

E-mail

pnsoliveiras@gmail.com

Comunidades

Baltazar
Zona rural

Pimentas
Zona rural

Mumbuca
Zona rural

Vieiras
Zona rural

Vazes
Zona rural

Ribeirão do Bonito
Zona rural

Cabeça de Boi
Zona rural

Ribeirão do Quebra
Zona rural

Horários de Missas e Celebrações

Domingos 19:00