Caríssimo(a) irmão(ã), seja bem-vindo(a)!

11 de abril de 2021

Na terceira reportagem da série ‘São José na Igreja no Brasil’, a devoção ao pai adotivo de Jesus em São Paulo (SP) – Regional Sul 1

08/04/2021 . Igreja

Nesta quarta-feira, 7 de abril, Dia do Jornalista, o portal da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) faz uma parada no Estado de São Paulo – maior cidade do Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para contar um pouco da devoção a São José na terceira reportagem da série ‘São José na Igreja no Brasil’, que celebra o “Ano de São José” convocado pelo Papa Francisco por ocasião dos 150 anos da declaração do Esposo de Maria como Padroeiro da Igreja Católica.

Nosso desembarque é no bairro da Bela Vista, na região central de São Paulo, onde fica a sede do Regional Sul 1 da CNBB, que compreende as arquidioceses e dioceses do Estado de São Paulo, divididas por sete sub-regiões Pastorais: Aparecida, Botucatu, Campinas, Ribeirão Preto I e II, São Paulo e Sorocaba.

São José é um dos santos mais populares da Igreja. Ele é protetor da Igreja Católica, padroeiro dos trabalhadores e das famílias. Além disso, no estado de São Paulo, duas cidades levam o nome do esposo de Maria: São José dos Campos e São José do Rio Preto, cidades a quase 90 km e 450 km do centro da capital dos paulistanos, respectivamente.

São José na Igreja de São José dos Campos

Instalada em 1º de maio de 1981, a diocese de São José dos Campos foi dedicada a São José já na carta de pedido de criação da nova diocese ao Papa. O então Bispo de Taubaté, dom José Antônio do Couto, definia que o titular da Catedral seria São Dimas e o da Diocese São José.

Igreja Matriz de São José dos Campos. Foto: Diocese SJC

Este ano, a diocese celebra não só o Ano de São José, mas seus 40 anos de história e missão. De acordo com a diocese, a sua vida e desempenho pastoral são profundamente marcados pela figura do pai nutrício de Jesus, a cujo patrocínio confia o cumprimento de sua missão.

“Mesmo em meio aos limites impostos pela pandemia da COVID-19, diversas iniciativas têm sido tomadas como forma de celebrar o Ano de São José e de tornar mais presente na vida da Diocese de São José dos Campos o testemunho fecundo do homem justo”, destaca a diocese.

Ao longo do ano, a diocese vai realizar diversas atividades em honra a São José e a preparação para os 40 anos de sua instalação como novena do padroeiro, reflexão da carta apostólica “Patris corde – Com coração de Pai”, publicada por ocasião dos 150 anos da declaração do Esposo de Maria como Padroeiro da Igreja Católica.

Ainda segundo a diocese, diversas paróquias estão com celebrações semanais à São José ás quartas-feiras ou mensal todo dia 19 de cada mês, com missa ou a recitação do terço acompanhada de reflexões sobre a pessoa e missão de São José. Enquanto permitido pelos protocolos de combate e prevenção à Covid-19, há incentivo, sobretudo, para a participação dos homens nestas celebrações.

O pai adotivo de Jesus é padroeiro de quatro paróquias na diocese de São José dos Campos. Segundo eles, a mais antiga é a primeira paróquia do município, conhecida como Matriz de São José instalada em 1747, seguida da Paróquia São José Operário instalada em 1998 na Vila Paiva e a Paróquia São José Esposo de Maria instalada em 2016 no bairro Campo de São José. Já no município de Jacareí está situada a Paróquia São José Operário, no bairro Cidade Salvador, instalada em 2005. A diocese informou ainda que em quase todas as paróquias existem diversas capelas dedicadas ao esposo de Maria.

São José na Igreja de São José do Rio Preto

A ocupação da região de São José do Rio Preto (SP) começou no século XIX, com a chegada de famílias até então residentes em Minas Gerais em busca de terras férteis para a agricultura por volta de 1840, segundo o site da diocese.

Primeira Capela de São José do Rio Preto, construída a partir de 1854 e ampliada em 1867. Foto: Diocese

Em 1857, a igrejinha construída pelos primeiros habitantes da cidade é oficialmente instituída como Capela e dedicada a São José. Em 1912, a primeira capela foi demolida para a construção da nova igreja, que foi concluída em 1930. No ano seguinte a diocese de Rio Preto é criada e a ela foi concedida o título de São José como co-padroeiro diocesano. Atualmente, a diocese conta com 2 paróquias e uma catedral dedicadas ao Santo.

Ao longo deste ano, a diocese vai motivar as paróquias a celebrar solenemente São José Operário no dia 1º de maio – valorizando o mundo do trabalho e os trabalhadores e valorizar as paróquias e capelas que têm como padroeiro São José: Adolfo – José Bonifácio – Catedral; bem como as paróquias que  possuem a Irmandade de São José. Além de incentivar a oração a São José pelas vocações.

Paroquia São José em Cravinhos. Foto: Diocese Ribeirão Preto

São José na Igreja de Ribeirão Preto

Na Arquidiocese de Ribeirão Preto três paróquias – sendo duas delas centenárias, e uma quase paróquia, são dedicadas ao Padroeiro Universal da Igreja Católica. Segundo o site da arquidiocese, a mais antiga encontra-se em Cravinhos, fundada em 1898. A outra paróquia fica localizada na região central da cidade, instalada canonicamente em 1964, porém já era capela desde 1903.

Ainda de acordo com o site da arquidiocese, a terceira paróquia é dedicada a São José Operário, foi criada em 2004, no Jardim Alvorada, em Santa Rita do Passa Quatro, e quase paróquia São José, no bairro Jardim Amélia, em Serrana, também criada em 2004.

São José na Igreja de Santo André

Cinco paróquias são dedicadas a São José na diocese de Santo André: as paróquias estão localizadas em Santo André, São Bernardo do Campo, Ribeirão Pires e duas em Mauá.  Apesar da pandemia, a Paróquia São José do Baeta Neves, em São Bernardo, realizou em março, de forma on-line, a novena do padroeiro e concomitantemente o estudo da Carta Apostólica do Papa “Patris Corde”, onde se trabalhou nove características de São José apresentadas no documento.

Entre as ações para o Ano de São José, a diocese celebrou uma missa no último dia 19 de março. O setor Família promoveu a reza do Terço em Louvor a São José, protetor da Sagrada Família.

Dom Cipollini celebrando missa solene na Paróquia São José do Baeta Neves. Foto: Diocese de Santo André

“São José nos inspira a superarmos as dificuldades para sermos vencedores”, ressalta o bispo de Santo André (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Doutrina da Fé da CNBB, dom Pedro Cipolini, ao falar dos desafios da caminhada do esposo de Maria e pai adotivo de Jesus, exemplo de fidelidade e compromisso ao acolher o chamado de Deus.

Neste dia também foi lançado o podcast do Programa Verbum, “A Palavra de Deus”, reflexão diária do evangelho. Além disso, no dia 19 de cada mês, como forma de expressar a devoção ao santo padroeiro da Igreja Católica e valorizar as famílias, a diocese de Santo André vai promover a veiculação da oração à Sagrada Família e o terço de São José, sempre às 15h.

São José na Igreja de São Paulo

Matriz São José Esposo Da Virgem Maria. Jardim Guancã. Foto: Arq. São Paulo

O privilégio de ser pai adotivo do Jesus constitui o título mais alto concedido a um homem, segundo o site da Arquidiocese de São Paulo ao destacar a solenidade de São José. A devoção ao esposo de Maria na maior cidade do país conta com 29 comunidades dedicadas ao santo.

De acordo com o site da arquidiocese de São Paulo, uma das devoções mais antigas está no bairro do Jardim Guancã, onde Dona Conceição Aparecida da Silva Escobar deu o primeiro passo para o surgimento da história da Igreja de São José ainda em 1973. Depois de muito esforço, dedicação, passeatas e procissões, em 2004 foi criada a Paróquia Matriz São José Esposo Da Virgem Maria que é administrada pelos padres da congregação São José.

Com informações e fotos:
Ascom Regional Sul 1 CNBB
Dioceses de São José do Rio Preto, São José dos Campos e Santo André
Arquidioceses de São Paulo e Ribeirão Preto
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE
Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de São José do Rio Preto
Foto de capa: Diocese de São José do Rio Preto

CNBB