Prelazia de Marajó

Testemunho do seminarista Willian sobre sua visita à Igreja Irmã do Marajó

Por mais que eu tente escrever o meu testemunho sobre a visita a Prelazia de Marajó não conseguirei expressar aqui tudo o que vivenciei nos dias que lá estive, pois é fazendo a experiência de poder visitar a prelazia é que cada um poderá tirar as suas próprias conclusões sobre como é lá. Mas, o que posso dizer sobre tudo o que encontrei e vivenciei nesta visita é uma igreja viva, uma igreja jovem, um povo muito acolhedor e alegre, mesmo com as dificuldades que se encontram na prelazia, que não são muito diferentes das realidades de algumas cidades da Diocese de Itabira – Coronel Fabriciano. Nos dias da visita fui acolhido na paróquia de Santa Maria, na cidade de Bagre. A maior dificuldade que deparei foi com o saneamento básico, que é zero e o descaso dos poderes públicos.

Percebi o amor e o carinho do povo pelos padres e bispos, mesmo nas comunidades ribeirinhas que só tem a presença do padre uma vez por ano na comunidade, devido ao clima, por que como tudo é através dos rios depende da maré, e os gastos com a viagem para as visitas não são baratos. Encontrei com Dom Evaristo, bispo da prelazia, um exemplo de missionário que apesar das distâncias que tem que enfrentar para chegar as suas paróquias em momento algum demostrou cansaço ou insatisfeito com a sua missão, um homem muito alegre e acolhedor. Encontrei com Dom José Azcona, na celebração dos 90 anos da prelazia, bispo de muita unção, no encontro com as pessoas só faltavam carregá-lo nos ombros, mais de 30 anos como bispo da prelazia, é um verdadeiro marajoara, que continua doando sua vida naquelas terras.

O que mais me impressionou foi ver que os jovens da prelazia são compromissados com a Igreja, vivendo uma vida de oração muito intensa. Só tenho que agradecer a Deus pela oportunidade que me concedeu. Por tudo isso Deus seja louvado!

Willian Moreira – 1° ano de Teologia
Diocese de Itabira – Cel. Fabriciano.

Tags