Igreja em Missão

Querido diocesano,

“A missão não é proselitismo ou mera estratégia; a missão faz parte da “gramática” da fé, é algo imprescindível para quem escuta a voz do Espírito”.  Este é o pano de fundo da mensagem do Papa Francisco para o 89º Dia Mundial das Missões a ser celebrado em toda a igreja no dia 18 de outubro de 2015. Esta iniciativa é consequência da renovada consciência da natureza missionária da Igreja, oriunda da Ad Gentes .

No campo ou na cidade, todo fiel batizado é chamado a assumir a missão de evangelizar com renovado ardor missionário. No cinquentenário do Concílio Vaticano II (1962-1965), vale a pena lembrar o Decreto Ad Gentes, aprovado pelo Beato Papa Paulo VI, no dia 07 de dezembro de 1965, considerado a Carta Magna para a revitalização e reorganização da imensa atividade missionária da Igreja.

O Decreto Conciliar tem a seguinte sequencia capitular: 1. Princípios Doutrinais; 2. A Obra Missionária em si mesma; 3. As Igrejas Particulares; 4. Os Missionários; 5. A Organização da Atividade missionária; 6. A Cooperação. A partir desse importante documento da década de 1960, a evangelização da Igreja se decentraliza e alcança as periferias existenciais e do mundo.

Uma das prioridades aprovada e assumida na última Assembleia da Ação Evangelizadora e Pastoral da nossa Diocese foi a Missão. Em muitas paróquias já foi feito estudo do conteúdo do Plano, fruto da referida Assembleia. Aos poucos as comunidades vão tomando conhecimento da missão confirmada pelos documentos da Igreja. Dessa forma, o espírito da missão vai se impregnando em todas as realidades do território geográfico de nossa extensa Diocese.

As Equipes Paroquiais de Assessoria Pastoral, organizadas a partir da nova configuração do Plano da Ação Evangelizadora e Pastoral, apresentam-se como uma iniciativa missionária que necessita de conhecimento para exercerem a sua função. Nas partilhas feitas pelos padres que já constituíram as EPAPs, em suas respectivas paróquias, os presbíteros disseram que os assessores leigos assumiram com entusiasmo o trabalho de acompanhamento da pastoral paroquial. Uma boa formação permanente capacitará os agentes garantindo uma assistência às demandas pastorais, hoje tão desafiantes.

A Congregação para a Evangelização dos Povos, organismo que ajuda o Papa no direcionamento da missão da Igreja, solicitou aos bispos que, no quinquagésimo aniversário da promulgação da Ad Gentes, realizem um programa que destaque pelo menos dois âmbitos: 1) realizar, em nível diocesano ou paroquial, uma solene Celebração Eucarística que é fonte e cume da vida e missão da Igreja; 2) organizar momentos de estudo, reflexão e debate sobre o Decreto Ad Gentes, onde possam tomar parte o Clero, os Religiosos e os Leigos (especialmente os catequistas), envolvendo também institutos de formação como Escolas de Ensino Médio, Seminários e Universidades presentes na Diocese. Portanto, mãos à obra!

No mês dedicado à missão, dentro das comemorações do cinquentenário do Concílio Vaticano II e do decreto conciliar Ad Gentes, desejo a todos um trabalho pastoral voltado para uma Igreja em saída e em permanente estado de missão.

Dom Marco Aurélio Gubiotti
Bispo Diocesano de Itabira-Cel. Fabriciano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *