Reflexões da Semana Santa: Domingo de Ramos da Paixão do Senhor

Queridos irmãos e irmãs,

A narrativa do Evangelho deste domingo, 29, contempla tudo que vamos viver ao longo da semana. O Evangelho nos faz entrar no mistério da vida de Jesus. Nos faz enxergar com os olhos da fé, as atitudes de Jesus. Mais ainda: Nos faz olhar para aqueles que estavam juntos de Jesus. Estes que hoje somos nós. Nós estamos juntos de Jesus. Por isso a proclamação deste evangelho e a celebração deste domingo, que abre as celebrações da paixão, morte e ressurreição do Senhor, nos colocam dentro do evangelho. A começar por algumas cenas que jesus nos chama a meditar.

1º: A casa de Simão onde uma mulher derrama perfume caríssimo nos pés de jesus e alguns começam então a criticá-la.

“Mas mulher para que desperdiçar este perfume? Poderia vende-lo e dar o dinheiro aos pobres.” Jesus aproveita essa situação e dá o ensinamento: “Olha ela fez a melhor parte. ela tomou a sábia decisão.”

Jesus nos diz que todas as nossas ações de fé partem da experiência com Ele. Para esta mulher o mais importante naquele momento era a presença de Jesus, por isso ela perfuma-o com um perfume caríssimo e Jesus faz aqueles que criticaram, compreenderem que estavam bastante equivocados.

Quando nós vivemos hoje a nossa fé, é preciso perceber se de fato a nossa vida está ligada à presença de jesus. Todas as ações que fazemos só tem sentido se vierem da nossa experiencia com Jesus.

O evangelista Marcos não diz, mas, Lucas e Mateus dizem claramente que quem mais reclamou da mulher foi Judas o traidor, porque achava que o perfume deveria ser vendido para que o dinheiro fosse para a bolsa comum que ele administrava.

2º:  Retomamos os discípulos de Jesus, quando Cristo chama-os para que pudessem partilhar com ele daquela ultima hora. Jesus diz: “Vamos vigiar, vamos nos colocar em oração”. Em seguida quando Volta, Jesus os encontra literalmente durmindo.

Quando meditamos este evangelho, temos que olhar para nossa vida de fé: Será que temo tido força, vigor, para vigiar? Ou Adormecemos rapidamente sem perceber as atitude eficazes para vivenciar as situações da vida.

Jesus estava profundamente angustiado, e queria que os discípulos com Ele, rezassem ao Pai. Por três vezes Jesus os encontra dormindo.

A incapacidade de persistência, a falta de vigilância nos faz dormir e não participar da experiência de Jesus que confia no Pai. O nosso adormecer não permite a percepção daquilo que os irmãos vivem: as angustias, enfermidades, tribulações….O dormir representa claramente a nossa insensibilidade. Atualmente nem a morte nos chama a atenção. Quando vamos aos velórios oque encontramos: “Causos”, risadas, piadas, e nada de oração!

O evangelho mostra-nos exatamente como nos comportamos diante de situações concretas que Jesus viveu e que são vividas hoje. Como nos comportamos? Esta é a indagação para qual o Evangelho que nos chamar a atenção.

3º: A atitude de Judas em trair Jesus. Jesus diz: Um daqueles que comem comigo, me trairá.

Nós temos que perceber que a traição de Jesus não veio de alguém que estava distante. Veio de alguém que estava intimamente próximo. Dessa forma, nós não podemos imaginar que por termos fé, por termos vida de oração, não vamos possivelmente cair na mesma situação da traição.

O evangelho mostra claramente: Aquele que estava tão próximo é que foi o traidor de Jesus. Precisamos nos orientar, olhar para nossa vida espiritual de modo que não sejamos hoje aquele que continuam a trais Jesus por causa de tantas outras ocupações ou preocupações da vida.

4º :A situação de Pedro.

Homem de confiança de Jesus, Pedro diz: “Ainda que eu morra jamais vou te trair Senhor!” e Jesus responde: Pedro, antes que o galo cante duas, três vezes, você há de me trair. Depois então Pedro é tomado de medo e acaba negando o Senhor. Aqui então analisamos como nossa fragilidade nos toma se formos vigilantes.

Por último: A atitude de Jesus.

Tanto a primeira leitura, o salmo e a segunda leitura nos diz que a resposta de Jesus perante toda a violência e toda humilhação foi a paz. No Cristo não há raiva, não há ódio, ressentimento ou mágoa. Porque não há se Jesus vive a mesma condição humana que nós?

Nada disso toma conta de Jesus porque Ele está firme no proposito de Deus. Quando começamos a imaginar que as situações atuais do mundo também serão resolvidas com violência, vamos contra o projeto de Deus e imaginamos que assim vamos estabelecer a paz.

Quando Pedro arranca a espada e corta a orelha do soldado, Jesus diz: Guarda a espada pedro! Guardar a espada deve ser uma atitude que nos provoque a de fato entrar no evangelho e entender que toda violência só é vencida pela paz!

A atitude de Cristo é de plena confiança no Pai. “Pai se possível afasta de mim essa hora, mas que seja feita a tua vontade.”

Durante esta semana vamos de fato vivenciar o proposito de santificar nossas palavras e ações, para que nossa vida possa se assemelhar mais a Jesus. Não podemos perder a oportunidade de viver o tempo propício para aproximação de Jesus e assim  o imitarmos em sua força, seu vigor, sua confiança e com a certeza de que o Pai tudo conduz e fará prevalecer a sua vontade.

Que estejamos com Jesus, fortes, firme e confiantes para vivenciar esta semana com proposito de santificar a nossa vida!

Homília do Domingo de Ramos da Paixão do Senhor

Pe. Uíldes Flávio Assis
Vigário Episcopal da Região Pastoral 1
Pároco na Paróquia Nossa Senhora da Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *